-Publicidade-

Jurista afirma que proibição de missas e cultos seria ‘totalmente inconstitucional’

'A Constituição prevê a liberdade de culto, que pressupõe comparecimento aos templos', diz Ricardo Peake Braga

O jurista Ricardo Peake Braga, em entrevista ao programa Opinião no Ar, exibido pela RedeTV! nesta quarta-feira, 7, classificou como “totalmente inconstitucional” a tese de que missas e cultos deveriam ser proibidos neste momento de agravamento da pandemia de covid-19.

Leia também: “‘Abrir escola é mais importante do que liberar culto’, diz presidente de frente de prefeitos”

No sábado 3, o ministro Nunes Marques, do Supremo Tribunal Federal (STF), que determinou que Estados, municípios e o Distrito Federal não podem editar normas que proíbam celebrações religiosas presenciais. A medida é criticada pelo presidente da Frente Nacional de Prefeitos (FNP), Jonas Donizette, que também participou do Opinião no Ar nesta manhã. Silvio Navarro, editor-executivo de Oeste, e Rodrigo Constantino, colunista da revista, participaram da entrevista. O programa também contou com a participação da jornalista Amanda Klein.

“O fechamento de igrejas é totalmente inconstitucional sem que haja estado de sítio declarado. A Constituição prevê a liberdade de culto, que pressupõe comparecimento aos templos e participação em cultos presenciais”, afirmou Braga. “O pleno do STF apenas decidiu que prefeitos e governadores têm competência para determinadas medidas concorrentes às medidas federais. Mas isso tem que ser respeitando os direitos e garantias individuais. Esses direitos só podem ser afastados em caso de estado de sítio.”

Leia mais: “Presidente de frente de prefeitos pede manifestação de Fux sobre liberação de missas e cultos”

Questionado sobre qual é sua expectativa em relação à análise, pelo plenário do STF, da decisão de Nunes Marques que liberou missas e cultos, o jurista respondeu: “A tendência é que se forme uma maioria permitindo esses fechamentos, à revelia da Constituição e da necessidade de um estado de sítio. Haverá votos vencidos, mas meu prognóstico é negativo nesse sentido”. Para Braga, “o STF, já faz algum tempo, tem atuado de maneira menos presa ao espírito da Constituição e mais em uma resposta casuística a algumas situações”.

Leia mais: “Nunes Marques libera realização de cultos e missas em todo o país”

Lockdown

Na entrevista, Ricardo Peake Braga também criticou o lockdown decretado pelas administrações municipais e estaduais em diferentes partes do Brasil. “Em plena democracia, suposta democracia, estamos presenciando esse tipo de acontecimento no Brasil todo. Esses fechamentos indiscriminados de comércio ferem o direito ao trabalho. É um direito a dignidade humana poder ganhar o seu próprio sustento”, afirmou. “Várias medidas podem ser tomadas em combate à pandemia, mas proibir o ganha-pão das pessoas me parece, além de flagrantemente inconstitucional, uma coisa desumana.” O jurista completou: “Se você permitir que, em atos administrativos de municípios, você possa afastar a Constituição, isso abre um precedente inacreditável”.

Leia também: “Após negativa de Kalil, Nunes Marques intima prefeito de BH a permitir missas presenciais”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.