‘O Brasil precisa de mão de obra técnica’, defende Milton Ribeiro

Em evento no interior de SP, ministro da Educação questionou a busca por diploma universitário
-Publicidade-
Milton Ribeiro: "O Brasil precisa de mão de obra técnica" | Foto: Frederico Brasil/Estadão Conteúdo
Milton Ribeiro: "O Brasil precisa de mão de obra técnica" | Foto: Frederico Brasil/Estadão Conteúdo

Em encontro realizado na cidade de Nova Odessa (SP), o ministro da Educação, Milton Ribeiro, questionou a busca por diploma universitário, inclusive através de programas de financiamento como o FIES (Fundo de Financiamento Estudantil).

“Que adianta você ter um diploma na parede, o menino faz inclusive o financiamento do FIES que é um instrumento útil, mas depois ele sai, termina o curso, mas fica endividado e não consegue pagar porque não tem emprego.”

“‘A educação que seu filho recebe é da pior qualidade’” 

-Publicidade-

O ministro defendeu o ensino técnico profissionalizante e afirmou, segundo o UOL:

“O Brasil precisa de mão de obra técnica, profissional, gente com capacidade e é nesse foco que eu quero mirar agora neste restante de mandato do presidente. Escolas profissionalizantes. E aí depois o moço ou a moça, elas fazem esse curso, arrumam um emprego, e aí depois elas falam assim: ‘Olha, o que eu gostaria mesmo é de ser um doutor. Eu fiz um curso técnico em veterinária, já tenho meu emprego, mas eu quero ser um médico veterinário’. Pronto, aí ela tem condição de ela mesma prover a condição de fazer esse curso numa universidade depois. Mas sai empregado”.

Em reportagem publicada na Edição 39, a Revista Oeste discutiu a importância de se revisar a estratégia de educação pública no país, em razão dos novos arranjos demográficos e da escassez de mão de obra qualificada.

Leia um trecho:

“Com uma política educacional falida, o governo federal gasta em ensino superior (R$ 30 bilhões) o dobro do que aplica em ensino básico (R$ 16,3 bilhões). As universidades públicas, financiadas com o dinheiro do pagador de impostos, formam centenas de antropólogos, sociólogos, oceanógrafos, geólogos, todos os anos. Mas o país carece de mão de obra especializada nas áreas de desenvolvimento digital e tecnológico das empresas. Não há estímulo para o ensino técnico e profissionalizante. E as transformações provocadas pela revolução digital estão criando novos tipos de profissões e empregos em todos os setores da economia.”

Leia a reportagem na íntegra: “Sem filhos, e daí?”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários

      1. O brasileiro precisa é de oportunidades. Quem deve decidir se vai querer fazer curso tecnico ou universitário é o cidadão. Como professor que já trabalhou na maior instituiçao publica de ensino tecnico que era o Cefet-Pr, vi muito aluno bem capacitado não ter o que fazer com seu diploma ou entao receber salários baixissimos. Escolas técnicas temos e muitas, basta ver a rede federal, redes estaduais, Senai e Sesi, alem de iniciativas do 3o setor. Em todas tem sobrado vagas e alunos desempregados. O discurso mostra alguem que quer requentar um velho discurso por não entender nada de educaçao

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro