Relator afirma que voto auditável é ‘aprimoramento das instituições’

Apesar de manobras da oposição, Filipe Barros confia em aprovação do relatório na comissão especial da Câmara antes do recesso parlamentar
-Publicidade-
O deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator da PEC do voto auditável, defende a medida já para as eleições do ano que vem
O deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator da PEC do voto auditável, defende a medida já para as eleições do ano que vem | Foto: Reprodução/YouTube

Em entrevista ao programa Opinião no Ar, exibido pela RedeTV! nesta terça-feira, 6, o deputado Filipe Barros (PSL-PR), relator da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) do voto auditável (PEC 135/2019), afirmou que a medida significaria um avanço do sistema de votação e da própria democracia brasileira. Segundo ele, apesar da resistência no Congresso, é possível aprovar o texto na comissão especial da Câmara que discute o tema ainda antes do recesso parlamentar.

Silvio Navarro, repórter especial de Oeste, e Rodrigo Constantino, colunista da revista, participaram da entrevista. O programa é apresentado por Luís Ernesto Lacombe e também conta com a participação da jornalista Amanda Klein.

Leia mais: “Bia Kicis defende voto auditável: ‘Ordenamento jurídico não pode se curvar à tecnologia’”

-Publicidade-

“[O voto auditável] É o aprimoramento das instituições democráticas do nosso país. No meu relatório, colocamos aquilo que entendemos, junto com especialistas que ouvimos na comissão especial, como necessário: a evolução das ultrapassadas urnas de primeira geração, que utilizamos em nosso país, para as urnas de segunda e terceira gerações”, afirmou Barros. “Após o término da votação, imprime-se uma cédula em que consta os nomes dos candidatos em que o eleitor votou. […] Se o eleitor chega à conclusão de que aquilo não foi o que ele votou na urna, ele tem a possibilidade de cancelar aquela cédula. O eleitor vota mais uma vez e confirma, e a cédula vai para uma urna indevassável”, explicou. 

Leia mais: “Líderes trocam parlamentares em comissão para barrar o voto auditável”

Em relação às manobras da oposição na comissão especial para tentar barrar o andamento da proposta, o relator da PEC admite que “houve uma mudança de cenário”, com uma resistência maior dos oposicionistas. “Isso é um fato. Faz parte do jogo. Mas tenho tido conversas com representantes de cada partido, ressaltando que essa não é uma pauta de A ou B, mas do Parlamento brasileiro”, disse. “O Congresso brasileiro já aprovou o voto impresso por três vezes. Infelizmente, a nossa Suprema Corte declarou inconstitucional. Por isso, optamos por uma PEC.  Acho que é possível chegarmos a um consenso em relação à aprovação da matéria.”

Leia também: “Votação da PEC do voto auditável na comissão especial é marcada para quinta-feira”

Barros lembrou que, em passado recente, partidos e parlamentares que hoje se opõem ao voto auditável defenderam o projeto no Congresso. “Todos os partidos políticos, do PT ao DEM, do PSOL ao PSL, já fizeram a orientação ‘sim’ às suas bancadas”, destacou. “Infelizmente, hoje vemos essa politização de um tema que é acadêmico, científico. A evolução da tecnologia nos sistemas eleitorais é um debate científico.”

CRÍTICAS AO TSE

Durante a entrevista, Barros criticou o Tribunal Superior Eleitoral (TSE), cujo presidente, ministro Luís Roberto Barroso, já se manifestou publicamente de forma contrária ao voto auditável.

Leia mais: “Mourão defende voto auditável: ‘Não vejo problema’”

“O TSE simplesmente não escuta nossa comunidade acadêmica. Nossas urnas são vulneráveis e ultrapassadas”, afirmou o deputado. “Nós precisaremos em algum momento rever o formato da Justiça Eleitoral.”

Leia também: “‘Não identifico fraude nas urnas’, diz Pacheco, ao defender voto eletrônico”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. O problema está nos componentes desse STF , hoje chamado de Instituto Lula. Esses ministros e ministras não tem vergonha na cara. Envergonham nosso povo. Rasgam sistematicamente nossa constituição. Quando pedem o FECHAMENTO desse tribunal que depois de Lula virou uma espelunca com toda espécie de gente esquisita travestidos de ministros e ministras, chamam isso de antidemocratas ou fascistas. Antidemocratas e fascistas são aqueles que negam nossa constituição Federal.

  2. O voto impresso se não for contado na própria sessão eleitoral, em uma amostra aleatória de 2% das urnas, logo após o encerramento da votação também poderá ser fraudado. Existe proposta ALTERNATIVA ao Voto Impresso que garante 95% de confiança ao resultado das eleições, com 1% de margem de erro e com custos mínimos, se forem adotados os procedimentos sugeridos nesse vídeo do Canal OBTJ -> https://youtu.be/ebVV0EldkOY. Nada mais é que um teste de integridade em tempo real a ser realizado no dia das eleições em apenas 2% das urnas. Valeria muito a pena divulgar essa ideia. OUTRA VANTAGEM, não depende de Emenda Constitucional para ser aprovada, só de Lei Ordinária.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.