São Paulo divulga lista de blocos e espera 18 milhões no Carnaval

Até o momento, 440 grupos foram autorizados a participar da folia, mas evento depende de confirmação da área da saúde
-Publicidade-
Carnaval de São Paulo deve atrair 18 milhões de pessoas, segundo estimativas da prefeitura
Carnaval de São Paulo deve atrair 18 milhões de pessoas, segundo estimativas da prefeitura | Foto: Divulgação/Soul em Cena

Apesar do temor em relação à nova variante do coronavírus, a Ômicron, a prefeitura de São Paulo se prepara para organizar o Carnaval de 2022. Neste sábado, 27, foi divulgada a lista de blocos de rua já confirmados na maior festa popular do país.

Até o momento, há 440 blocos autorizados a participar da folia, em um período que inclui, além do evento em si, o pré e o pós-Carnaval — entre os dias 19 de fevereiro e 6 de março.

A estimativa é que cerca de 18 milhões de pessoas participem do evento. Em 2020, no último Carnaval da cidade, foram 15 milhões.

-Publicidade-

Segundo a prefeitura da capital paulista, foram recebidas mais de 860 inscrições para desfiles de blocos durante o Carnaval do ano que vem. Os grupos que conseguiram a aprovação devem obedecer itinerários e horários pré-definidos. Em caso de descumprimento, podem ser multados.

De acordo com uma portaria publicada pela Secretaria Municipal das Subprefeituras, a realização do Carnaval de rua em São Paulo ainda depende da liberação formal das autoridades sanitárias, por causa da pandemia de covid-19.

Como noticiado por Oeste, o prefeito Ricardo Nunes (MDB) afirmou que, pelo menos por enquanto, o Carnaval do ano que vem está mantido na maior cidade do Brasil.

“Anunciar agora o cancelamento pode ser querer fazer bonito para alguém, porque não escuta a área técnica”, disse Nunes. “Tecnicamente, hoje é incoerente dizer que não vai ter. Ou dizer que vai ter com certeza.”

Até o momento, pelo menos 27 cidades do Estado de São Paulo já anunciaram que não realizarão o Carnaval em 2022. O motivo alegado pelos municípios é que a festa promove aglomeração, favorecendo a propagação da covid-19.

O presidente Jair Bolsonaro afirmou nesta semana que, no que dependesse de sua vontade, não haveria Carnaval no Brasil em 2022.

“Por mim, não teria Carnaval. Só que tem um detalhe: quem decide não sou eu”, disse Bolsonaro. “Segundo o Supremo Tribunal Federal, quem decide são os governadores e os prefeitos. Não quero aprofundar nessa que poderia ser uma nova polêmica.”

Ontem, em entrevista ao programa Os Pingos nos Is, o ministro do Turismo, Gilson Machado, disse que a decisão sobre a realização do Carnaval em 2022 cabe aos Estados e municípios.

“Eu passo a bola para os governadores e para a Justiça, que foi quem delegou esse poder a eles”, afirmou Machado. “A bola está com eles e eu quero assistir de camarote ao que os governadores e os prefeitos vão fazer.’

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

5 comentários Ver comentários

  1. Verdade. Nem Bolsonaro é nem o Ministro do Turismo querem passar o ridículo e vexatório ato de ver o Doria rebolando “com todas as suas forças” nos blocos do Baixo Augusta de propriedade de outro rebolador. Esse prefeito também não me engana não.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.