‘Se continuar como está, teremos Carnaval’, diz prefeito de São Paulo

'A cidade está se planejando para ter', afirmou Ricardo Nunes sobre o desfile das escolas de samba e os blocos de rua em 2022
-Publicidade-
Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, projeta a realização do Carnaval em 2022
Ricardo Nunes, prefeito de São Paulo, projeta a realização do Carnaval em 2022 | Foto: Reprodução/Mídias sociais

Diante do arrefecimento da pandemia de covid-19, com a diminuição de casos e mortes pela doença na cidade, o prefeito de São Paulo, Ricardo Nunes (MDB), afirmou nesta sexta-feira, 1º, que o Carnaval deve ser realizado normalmente no ano que vem. As declarações foram dadas durante visita às obras da Fábrica do Samba, na capital paulista.

“Nós temos um compromisso entre nós de que, se a questão sanitária se encaminhar de forma como está, nós teremos o Carnaval. Mas, se houver uma alteração na situação sanitária, não teremos o Carnaval. A cidade de São Paulo está se planejando para ter”, afirmou Nunes.

Leia mais: “Prefeito de SP sanciona lei que torna igrejas serviços essenciais”

-Publicidade-

No dia 15 de setembro, a administração municipal publicou no Diário Oficial uma autorização para o início do planejamento para os desfiles das escolas de samba no Anhembi.

Leia também: “Profissionais da saúde de SP receberão dose de reforço a partir do dia 4”

“Tanto o Carnaval de rua como o do Sambódromo a gente não conseguiria fazer com que ocorressem no mês de março se não houvesse uma preparação antes. A gente não pode aguardar chegar em fevereiro para eles começarem a se estruturar e fazer a preparação”, explicou o prefeito.

De acordo com o decreto, o Carnaval em São Paulo está condicionado à liberação das autoridades sanitárias da cidade e à imunização de pelo menos 70% dos moradores contra a covid-19.

Leia também: “Variante Delta preocupa, mas está ‘sob controle’ em São Paulo, diz prefeito”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

8 comentários Ver comentários

  1. Mesmo que tenha aumento de casos, eles vão dar uma varrida pra debaixo do tapete, pois no próximo ano terão que promover um pouco de “pão e circo” pro povo, afinal, ano de eleições, precisam passar uma certa sensação de que somos um pouco livres para fazermos o que gostamos e o governo não controla tudo. No dia seguinte do segundo turno, aí independente de aumento de casos ou não, tudo volta ao normal…. quer dizer, “novo normal”.

  2. Se continuar como está, teremos carnaval. Caso contrário, não teremos. Veja só a falta de preparo desse indivíduo, mal sabe ele que são necessários vários meses de preparo antes do carnaval para montar essas alegorias, então ele teria que decidir já, se é que esse prazo já venceu. e se a situação se modificar repentinamente e se tiver que suspender o evento, como é que fica o prejuízo? A prefeitura vai indenizar a todos?

  3. Depois que uma variante aparecer vão dizer que foi o JB que liberou o Carnaval.
    Ou melhor, pagaram para as escolas prejudicaram a imagem do JB. Quero só ver o fiasco desse prefeito de M…..

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.