Terceira dose com CoronaVac é ‘decisão de alto risco’, diz especialista

'Cumprida sua função, ela deveria ser aposentada ou usada somente em pessoas mais jovens', afirma Fernando Reinach
-Publicidade-
Reinach: CoronaVac 'deveria ser aposentada ou usada somente em pessoas mais jovens'
Reinach: CoronaVac 'deveria ser aposentada ou usada somente em pessoas mais jovens' | Foto: Matheus Sciamana/PhotoPress/Estadão Conteúdo

Em artigo publicado na edição deste sábado, 4, do jornal O Estado de S. Paulo, o biólogo e PhD em biologia celular Fernando Reinach faz um alerta sobre a decisão de utilizar a vacina chinesa CoronaVac na aplicação da terceira dose contra a covid-19, como sinalizou nesta semana o governo de São Paulo.

Com base nos dados sobre a efetividade do imunizante no Programa Nacional de Imunizações (PNI) do governo federal, Reinach afirma que os indicadores “demonstram, de maneira cabal, que as informações divulgadas pelo Butantan, de que a Coronavac seria 100% eficaz contra mortes, não correspondem à realidade”.

Leia mais: “Queiroga: sem registro definitivo, CoronaVac não será usada para 3ª dose”

-Publicidade-

“Em pessoas com mais de 90 anos, a Coronavac evita somente 25% das infecções, 30% das hospitalizações, 30% das internações em UTIs e 30% dos óbitos. Ou seja, ela fornece muito pouca proteção para idosos e nunca seria aprovada para uso nesse grupo, caso esses dados estivessem disponíveis na época da avaliação”, diz o biólogo. “O resultado é um pouco melhor para pessoas entre 80 e 89 anos: evita por volta de 55% das infecções, 65% das internações, 65% das internações em UTIs e 65% das mortes. Isso explica o grande número de idosos, como Tarcísio Meira, que têm morrido quando infectados após tomarem a Coronavac.”

Leia mais: “Após período de emergência, Ministério da Saúde excluirá vacinas sem registro definitivo”

Segundo Reinach, “o uso da Coronavac para vacinar os mais idosos é uma decisão de alto risco, para não dizer eticamente inaceitável”. “Isso porque temos a opção de utilizar as vacinas da AstraZeneca e da Pfizer que podem ser usadas como dose de reforço. É preciso retirar a Coronavac do esquema de terceira dose dos mais idosos. Cabe à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) garantir que assim seja feito, retirando a permissão de uso da Coronavac em idosos”, afirma.

Leia também: “Estados que não seguirem plano nacional poderão ficar sem doses, diz Saúde”

Ainda de acordo com o Fernando Reinach, “a Coronavac teve um papel importantíssimo no processo de vacinação no Brasil”, mas, “cumprida sua função, ela deveria ser aposentada ou usada somente em pessoas mais jovens”. “A decisão do atual ministro da Saúde de não utilizar a Coronavac como terceira dose, dando preferência para as outras vacinas, principalmente a da Pfizer, está mais que correta.”

Leia também: “Doria contradiz Doria sobre 3ª dose da vacina contra a covid-19”

Telegram
-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro