-Publicidade-

Brasil lidera desindustrialização entre países do Brics

Gráfico mostra indústria perdendo força no mercado nacional
Industrialização perde força no Brasil
Industrialização perde força no Brasil | Foto: Canva

“Em três décadas, o Brasil foi o país que mais se desindustrializou entre os Brics.” É dessa forma que o Instituto Liberal, entidade que tem o colunista da Revista Oeste Rodrigo Constantino como presidente do conselho deliberativo, divulga nesta quarta-feira, 27, gráfico que deixa a nação brasileira em liderança nada honrosa.

Leia mais: “Ford anuncia fim da produção de carros no Brasil”

A partir de dados do Banco Mundial, o Instituto Liberal mostra qual foi o desempenho de industrialização — ou desindustrialização — nos últimos 34 anos em cada um dos cinco países do Brics. Trata-se do bloco econômico formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul.

Pelo gráfico divulgado por meio das redes sociais, é possível conferir que o Brasil assumiu o primeiro lugar da desindustrialização em meados da década de 1990. Em 2019, o setor industrial apareceu como responsável por menos de 20% do Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro. Na liderança, a China aparece com a relação indústria X PIB próxima da casa dos 40%.

Pela metade

O recorte definido pelo Instituto Liberal revela que o Brasil chegou a ser forte na industrialização. Em 1989, por exemplo, a indústria foi responsável por mais de 40% do PIB do país. Daí em diante, porém, o indicador sempre ficou abaixo dessa porcentagem — chegando a ficar cerca de 10 pontos atrás da Índia, a penúltima colocada na questão em 2019.

brasil - brics - desindustrialização - indústria
Foto: Reprodução/Instituto Liberal
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês