Câmara aprova destaque que reduz para 15% tributação de lucros e dividendos

Emenda foi aprovada depois de um acordo entre lideranças do Centrão e do governo
-Publicidade-
Câmara dos Deputados analisou destaques apresentados ao projeto de reforma do Imposto de Renda
Câmara dos Deputados analisou destaques apresentados ao projeto de reforma do Imposto de Renda | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

A Câmara dos Deputados aprovou no início da tarde desta quinta-feira, 2, um destaque ao texto-base do projeto de reforma do Imposto de Renda (IR), votado na noite de ontem pela Casa. Por 319 votos a 140, os parlamentares reduziram de 20% para 15% a tributação sobre lucros e dividendos — um dos itens mais controversos da proposta.

A emenda foi aprovada depois de um acordo entre lideranças do Centrão e do governo. Deputados de oposição ao presidente Jair Bolsonaro votaram contra a diminuição. O relator do projeto, deputado Celso Sabino (PSDB-PA), defendeu a manutenção dos 20%. Segundo ele, a alíquota maior é compensada por outros dispositivos do texto que reduzem a tributação pelo IR.

Reportagem especial: “Reforma tributária tem pontos positivos, mas frustrou expectativas, dizem analistas”

-Publicidade-

A retomada da tributação sobre lucros e dividendos (parcela do lucro distribuída aos acionistas) das empresas, que vigorou até 1995, gerou forte reação do empresariado. Atualmente, os lucros e dividendos são isentos de impostos. Segundo a proposta, essa tributação será retomada (agora em 15% na fonte para as empresas de capital aberto).

Leia mais: “Reforma tributária: os principais pontos da proposta e as mudanças feitas pelo relator”

Como Oeste noticiou, pelo substitutivo do relator, a faixa de isenção da tabela do IR passa a ser para todos os contribuintes que ganham até R$ 2,5 mil (hoje, é R$ 1,9 mil). Os valores das demais faixas do IR também serão reajustados, em menor proporção.

Leia também: “Ubiratan Iorio: ‘A reforma tributária é um remendo’”, entrevista publicada na Edição 70 da Revista Oeste

Destaques rejeitados

Antes da votação de hoje, os deputados haviam rejeitado outros três destaques que também buscavam modificar a tributação de lucros e dividendos. O primeiro, apresentado pelo Partido Novo, criava uma regra de transição para a incidência do IR sobre os dividendos. O segundo, do PT, instituía três alíquotas para a tributação de lucros de dividendos (20%, 25% e 35%), com base no valor distribuído. E o terceiro, do Psol, previa alíquota igual a das pessoas físicas tributadas pelo IR.

Com informações da Agência Câmara de Notícias

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários

  1. A manchete dá a falsa impressão de que houve uma redução nos impostos sobre dividendos (de 20 para 15%) mas é bom lembrar que na verdade antes desta malfadada reforma, nao incidia imposto sobre distribuição de lucros e dividendos. Ou seja, na realidade, trata-se de aumento de 0% para 15%.

    reformas tributárias nunca alcançarão objetivos de racionalizar/reduzir a tributação. essas metas são apenas factóides para facilitar a aceitação do público. Reformas sempre atenderão os interesses políticos/eleitorais dos legisladores

  2. É bom lembrar que a distribuição do lucro e dividendos de Micro e Pequenas Empresas do Simples e as no regime de lucro presumido, não serão tributados. O grosso das empresas não será atingido. Esta medida alcança as médias e grandes empresas. Bancos então….

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro