Eletrobras define preço de ação e é privatizada por R$ 33,7 bilhões

Papéis da empresa de energia vão ser negociados por R$ 42 na Bolsa de Valores de São Paulo a partir de segunda-feira
-Publicidade-
Eletrobras é primeira grande empresa privatizada no governo Bolsonaro
Eletrobras é primeira grande empresa privatizada no governo Bolsonaro | Foto: Reprodução/Mídias sociais

A Eletrobras teve o preço de ação definido em R$ 42 na noite da quinta-feira 9, já nas etapas de conclusão do processo de capitalização. Dessa forma, a empresa de energia vai ser privatizada por R$ 33,7 bilhões. O preço ficou dentro do estabelecido pelo Tribunal de Contas da União (TCU) para garantir a operação.

Com preço definido, as ações da Eletrobras vão ser negociadas a partir de segunda-feira na B3, a Bolsa de Valores de São Paulo.

O ajuste de preço nos papéis foi alvo de debate acalorado entre investidores locais e estrangeiros, com conclusão na noite de quinta-feira. Com o movimento de privatização, a fatia do governo federal na antiga estatal deve cair para cerca de 35%.

-Publicidade-

O preço de R$ 42 representou um desconto de 4% em relação ao valor da ação ao fim do pregão de quinta-feira (R$ 44). Esta foi a maior operação da bolsa brasileira desde a megacapitalização da Petrobras, em 2012, que gerou cerca de R$ 100 bilhões.

A rodada de negociação para os preços dos papéis contou com a presença de grandes grupos de investimento, como o 3G Capital, de Jorge Paulo Lemann, a pessoa mais rica do Brasil.

Os bancos que lideraram a oferta foram BTG Pactual, Bank of America, Goldman Sachs, Itaú BBA, XP, Bradesco BBI, Caixa Econômica Federal, Citi, Credit Suisse, JPMorgan, Morgan Stanley e Safra.

A oferta da Eletrobras também contou com reforço significativo do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS), com uma demanda de R$ 9 bilhões, acima do teto permitido de R$ 6 bilhões. Ao todo, 370 mil trabalhadores usaram o fundo para fazer reservas pelas ações.

Consumada, a privatização da Eletrobras é uma vitória do governo, especialmente para a agenda do ministro da Economia, Paulo Guedes. A empresa de energia é a primeira grande companhia ligada à União que é desestatizada na administração de Jair Bolsonaro.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

9 comentários Ver comentários

  1. Tbm acho que tinha de vender 100 por cento das ações, e quebrar o monopólio da empresa na questão energética. Mas isso é uma boa notícia apesar de tudo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.