-Publicidade-

Twitter bloqueia perfil da embaixada da China nos Estados Unidos

De acordo com a rede social, conta violou políticas de publicação
Rede social censura conta do Parlamento venezuelano
Rede social censura conta do Parlamento venezuelano | Foto: Canva

O comando do Twitter segue desempenhando papel de editor. Depois de resolver bloquear a conta de Donald Trump de forma permanente, a plataforma resolveu agir contra o regime chinês. Assim, a rede social bloqueou o perfil da embaixada chinesa nos Estados Unidos. O anúncio foi feito pela empresa de tecnologia nesta quinta-feira, 21.

Leia mais: “Parler acusa Amazon de facilitar ataque ‘hacker’”

Ao confirmar o bloqueio de novas postagens do @ChineseEmbinUS, a equipe do Twitter justificou a medida como combate a violações da política da rede. Nesse sentido, classificou como “desumanização” recente mensagem divulgada pela embaixada sobre os uigures muçulmanos. Então secretário de Estado dos Estados Unidos, Mike Pompeo chegou a acusar a China de promover genocídio contra a etnia que vive majoritariamente na província de Xinjiang, conforme noticiou Oeste.

Um dos posts contestados pelo Twitter foi ao ar já em 2021. Na ocasião, o perfil da embaixada chinesa nos Estados Unidos afirmou que as mulheres uigures não eram “máquinas de fazer bebês” — segundo a mídia estatal da China, isso teria ocorrido justamente após elas serem emancipadas pelo regime controlado pelo Partido Comunista local.

Por ora, o @ChineseEmbinUS está proibido de publicar novos conteúdos no Twitter, mas a conta segue ativa na rede social. Diante do bloqueio, o governo de Pequim limitou-se a dizer que cabe ao embaixador explicar quais conteúdos contra a política definida pela plataforma foram ao ar. Detalhe: na China, o uso do Twitter é proibido.

Venezuela

Na tentativa de mostrar que não passou a bloquear contas somente de usuários que promovem o pensamento conservador, o Twitter começou a agir contra perfis vinculados a instituições progressistas. Antes da decisão em relação à embaixada da China nos Estados Unidos, a empresa havia suspendido o perfil mantido Assembleia Nacional da Venezuela, órgão controlado por aliados de Nicolás Maduro.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comentários

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês