No Chile, oposição apresenta pedido de impeachment de Sebastián Piñera

Venda da uma mineradora para um empresário amigo do presidente chileno está na mira dos parlamentares e do Ministério Público
-Publicidade-
O presidente do Chile, Sebastián Piñera, pode ser julgado pelo Senado do país
O presidente do Chile, Sebastián Piñera, pode ser julgado pelo Senado do país | Foto: Flickr

O presidente do Chile, Sebastián Piñera, entrou de vez na mira da oposição no país. Nesta quarta-feira, 13, parlamentares de vários partidos oposicionistas apresentaram formalmente um pedido de impeachment do líder chileno, que também se tornou alvo de uma investigação instaurada pelo Ministério Público por supostas irregularidades na venda de uma mineradora. A operação foi revelada pelos chamados “Pandora Papers”.

O caso veio à tona a partir do vazamento de documentos de diversas autoridades por um grupo chamado Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (CIJI). A mineradora teria sido negociada por uma empresa ligada à família de Piñera.

Leia mais: “Ministério Público do Chile abre investigação sobre presidente Sebastián Piñera”

-Publicidade-

Segundo o deputado Tomás Hirsch, que apresentou a acusação contra o presidente do Chile na Câmara dos Deputados, Piñera utilizou o cargo “para negócios pessoais”. Agora a Casa, cuja maioria é opositora, deve decidir se aprova ou rejeita o pedido de impeachment — a votação deve ocorrer em novembro. Em caso de aprovação, o processo será encaminhado para análise pelo Senado.

Leia mais: “Chile anuncia fim do estado de emergência para covid-19”

Segundo informações da agência de notícias France-Presse, a expectativa da oposição é que o futuro político de Piñera seja definido antes do primeiro turno das eleições presidenciais no país, marcado para o dia 21 de novembro. Para avançar na Câmara, são necessários os votos de pelo menos 78 dos 155 deputados.

Leia também: “Chile libera injeção da CoronaVac para crianças a partir de 6 anos”

De acordo com os documentos divulgados nos “Pandora Papers”, a mineradora Dominga foi vendida ao empresário Carlos Alberto Délano por US$ 152 milhões, em um negócio realizado nas Ilhas Virgens Britânicas, um paraíso fiscal. O empresário é um amigo próximo de Piñera.

A negociação aconteceu em 2010, durante o primeiro mandato de Piñera como presidente do Chile. Ele nega qualquer conflito de interesse.

Com informações da agência France-Presse

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.