O Facebook e o silenciamento à moda chinesa

Brendan O’Neill explica, em artigo publicado na Edição 66 da Revista Oeste, as restrições impostas pela plataforma a milhões de usuários
-Publicidade-
Facebook e China têm muito em comum
Facebook e China têm muito em comum | Foto: Reprodução/Mídias Sociais

Em artigo publicado na Edição 66 da Revista Oeste, o colunista Brendan O’Neill argumenta que, graças ao Facebook e à sua restrição a qualquer discussão sobre a teoria de que a covid-19 pode ter sido ‘fabricada’ ou pode ter vazado de um laboratório em Wuhan, pessoas nos Estados Unidos, na Inglaterra, na França e no mundo todo foram submetidas ao silenciamento à moda chinesa.

Leia um trecho

“Nos últimos meses os moradores da China não foram os únicos a ser proibidos de falar mal do regime chinês. O mesmo ocorreu com bilhões de pessoas mundo afora. Graças ao Facebook e à sua restrição a qualquer discussão sobre a teoria de que a covid-19 pode ter sido ‘fabricada’ ou pode ter vazado de um laboratório em Wuhan, pessoas nos Estados Unidos, na Inglaterra, na França e no mundo todo foram submetidas ao silenciamento à moda chinesa. Elas foram basicamente impedidas de dizer qualquer coisa que pudesse constranger o Partido Comunista Chinês. Os chefões supostamente descolados e cool da World Wide Web ajudaram a globalizar a repressão do PCC ao pensamento livre e ao debate aberto.

-Publicidade-

Precisamos falar sobre isso. O Facebook agora retirou as restrições a posts que descrevem a covid-19 como ‘artificial’ ou ‘fabricada’ ou que dizem que o vírus escapou de um laboratório — o Instituto de Virologia de Wuhan, para sermos exatos. Isso pavimentou o caminho para seus 2,7 bilhões de usuários discutirem livremente a possibilidade de a covid-19 ter surgido em uma instalação científica, e não em uma tigela de sopa de morcego. Mas esse não deveria ser o fim da questão. Não deveríamos casualmente esquecer o fato de os bilionários supostamente antenados do Vale do Silício terem passado meses apagando de suas plataformas especulações sobre atos ilícitos ou descuidos em relação à covid-19. Porque essa questão dramática, essa aliança tão infeliz entre os tecnocratas da Califórnia e os autocratas de Pequim, joga luz na loucura e nos perigos da censura on-line.”

Gostou? Dê uma olhada no conteúdo abaixo.

Revista Oeste

A Edição 66 da Revista Oeste vai além do artigo de Brendan O’Neill, da Spiked, sobre a onda de silenciamento promovida pelo Facebook. A publicação digital conta com reportagens especiais e artigos de J. R. Guzzo, Augusto Nunes, Silvio Navarro, Guilherme Fiuza, Cristyan Costa, Rodrigo Constantino, Ana Paula Henkel, Dagomir Marquezi e Theodore Dalrymple.

Startup de jornalismo on-line, a Revista Oeste está no ar desde março de 2020. Sem aceitar anúncios de órgãos públicos, o projeto é financiado diretamente por seus assinantes. Para fazer parte da comunidade que apoia a publicação digital que defende a liberdade e o liberalismo econômico, basta clicar aqui, escolher o plano e seguir os passos indicados.

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site