Câmara aprova mudanças no ICMS; texto vai à sanção

Presidente Jair Bolsonaro já sinalizou ser favorável ao projeto
-Publicidade-
Painel de votação da Câmara dos Deputados | Foto: Reprodução/TV Câmara
Painel de votação da Câmara dos Deputados | Foto: Reprodução/TV Câmara

Por 414 votos a 3, a Câmara dos Deputados aprovou na noite desta quinta-feira, 10, o projeto de lei que altera a regra de incidência do Imposto sobre Operações relativas à Circulação de Mercadorias (ICMS) sobre os combustíveis.

O plenário da Casa aprovou o texto poucas horas depois do aval do Senado. Agora, a proposta segue para a sanção do presidente Jair Bolsonaro (PL). Mesmo criticando a proposta, os partidos de esquerda votaram em peso a favor.

-Publicidade-

Na live de hoje, Bolsonaro disse que, se os deputados aprovassem o projeto hoje, “a qualquer hora da noite ou da madrugada” assinaria a sanção. Segundo, ele a proposta poderá reduzir em cerca de R$ 0,60 o preço do litro do diesel.

O relator do projeto na Câmara, Dr. Jaziel (PL-CE), apresentou parecer favorável às mudanças do Senado, que prevê a incidência por uma única vez do ICMS sobre combustíveis, com base em uma alíquota fixa por volume comercializado e única em todo o país.

Mas retirou dois dispositivos que permitiriam aos Estados, por meio do Conselho de Secretários Estaduais de Fazenda (Confaz), ajustassem o ICMS, para baixo ou para cima, conforme a oscilação dos preços.

“Esses dispositivos, se aprovados, permitirão que ocorra justamente umas das distorções que a proposta pretende evitar, que é o repasse de grandes variações no preço do petróleo, a maioria das vezes temporárias e excepcionais, aos preços praticados aos contribuintes”, disse o deputado.

Projeto

Pela proposta, o ICMS, tributo estadual, passaria a ser um valor unitário cobrado sobre o litro de combustível, em vez de um percentual sobre o valor final da compra.

A porcentagem a ser cobrada será definida mediante deliberação dos Estados e do Distrito Federal. Ele deve ser uniforme em todo o território nacional, mas poderá ser diferenciado por produto.

O texto aprovado no Senado estabelece a chamada “monofasia” – ou seja, prevê que o ICMS, que é um tributo estadual, incidirá sobre os combustíveis uma única vez.

A mudança tenta acabar com o chamado “efeito cascata” verificado atualmente, em que o tributo incide mais de uma vez ao longo da cadeia de produção dos combustíveis.

O projeto teve origem na Câmara, onde foi aprovada em outubro do ano passado, mas como foi modificado no Senado, o texto retorna para a análise dos deputados.

Isenção de tributos

O texto também propõe que, durante 2022, serão reduzidas a zero as alíquotas do PIS/Pasep e da Cofins incidentes sobre a produção ou importação de diesel, biodiesel, gás liquefeito de petróleo e querosene de aviação.

Em razão dessa renúncia de receita, o projeto dispensa medidas de compensação por meio de aumento de outras receitas ou corte de despesas, conforme exigido pela Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) e pela Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2022.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

7 comentários Ver comentários

  1. Não é o caso do Presidente da República Jair Bolsonaro, INTIMAR a ministra Rosa Weber a prestar declarações a Polícia Federal em 48 hs., porque como relatora da ação impetrada em Setembro/21 pelo governo federal a respeito de fazer cumprir a CF na cobrança do ICMS sobre os combustíveis ainda não se pronunciou diante de tamanha crise mundial de combustíveis e os governadores MAMANDO grana?. Que ativismo é esse contra o governo dessa senhora e de outros iluminados do STF? Não foi ela quem deu um livrinho com a CF na posse de Bolsonaro? Pois é ele leu Rosa Weber.

  2. O ICM incide sobre ele msm, porque é calculado “por dentro”. Entenda: alíquota de icm: 20% , preço final 100. Imposto = 20, vendedor ficou com 80. Imposto real: 20/80 >> 25%

  3. Redução de impostos, como é frequente na equipe de Paulo Guedes, é possível hoje, entre outros fatores, porque não há mais corrupção no governo federal.
    Note como a corrupção era um câncer, corroía por dentro.

  4. Não tenho dúvidas que católico como sou Deus ilumina as ações de Bolsonaro e do Brasil, as decisões são difíceis, as críticas também. Uma pandemia seguida de uma guerra fica difícil para o mundo. Segue em frente Brasil energias positivas.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.