Depois de Barroso, Alexandre de Moraes ataca o voto auditável

'Não contribui para a democracia', disse o ministro do Supremo Tribunal Federal
-Publicidade-
Declaração foi dada em programa do STF
Declaração foi dada em programa do STF | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Alexandre de Moraes mirou a artilharia na direção do voto auditável. “Não contribui para a democracia”, disse, no podcast Supremo na Semana, que foi ao ar no sábado 26. De acordo com o juiz do STF, a “maioria massacrante dos brasileiros” defende o sistema 100% eletrônico e apenas uma minoria põe em dúvida a confiabilidade do software das urnas. “Até agora, não apresentaram uma única fraude”, afirmou, no programa, ao mencionar que a discussão é uma oportunidade.

“Não há nenhum problema em se abrir todas as portas do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) para se verificar que nunca houve, e dificilmente haverá, problema com o voto eletrônico, porque é controlado do início ao fim”, salientou, ao declarar que o voto auditável não vai aprimorar a democracia. A fala está em consonância com o que pensa o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, para quem a medida “diminui a segurança das eleições”. Conforme noticiou a Revista Oeste, milhares de brasileiros defenderam o dispositivo nas ruas.

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) que viabiliza o voto auditável é uma das bandeiras do presidente Jair Bolsonaro. Atualmente, está em discussão na Comissão de Constituição e Justiça e de Cidadania (CCJ) da Câmara dos Deputados. O mecanismo tem o apoio da presidente da CCJ, Bia Kicis (PSL-DF), que também é autora da PEC. Em linhas gerais, o texto estabelece que as urnas passem a ter uma impressora acoplada. Dessa forma, um comprovante do voto é emitido, com a finalidade de o eleitor confirmar quem escolheu.

-Publicidade-

Especialista levanta dúvidas sobre o software das urnas

Amílcar Brunazo, engenheiro especialista em segurança de dados e voto eletrônico, afirmou que a confiabilidade das urnas eleitorais é duvidosa. De acordo com ele, o equipamento pode ser objeto de fraude. “O software é desenvolvido no TSE seis meses antes das eleições, compilado com 15 dias de antecedência, transmitido por internet pelos tribunais regionais e por cartórios, e gravado num flashcard”, explicou Brunazo, no mês passado, durante audiência pública em comissão especial da Câmara dos Deputados.

“A equipe do professor Diego Aranha, dentro do TSE, mostrou ser possível pegar esse cartão, inserir nele um código espúrio, que não foi feito pelo TSE, e colocar na urna eletrônica”, salientou o especialista, ao mencionar que os brasileiros acabam tendo de confiar no servidor que vai pôr o dispositivo na máquina. “Muitas vezes é um profissional terceirizado. Realmente, o processo eleitoral brasileiro depende da confiança de todos os funcionários envolvidos. Isso é um equívoco”, lamentou Brunazo.

Leia também: “O que você precisa saber sobre o voto impresso”, reportagem publicada na Edição 54 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

28 comentários

  1. Quando um imbecil do tribulalzinho se mete onde não é chamado ou fala idiotices, o outro pateta tem que seguir o primeiro! Isso é espírito de corpo!

  2. Esses ministros estão pressionando parlamentares envolvidos com a criminalidade para votarem contra a urna auditavel. Se votarem a favor, o “xerife” abre algum processo mandamento contra o deputado ou senador sue votar a favor da permissão de auditoria. E nosso presidente cala a boca diante desse golpe jurídico parlamentar de gente que não teve UM voto. Bolsonaro é muito fraco mesmo. Muita goela e pouca coragem.

  3. Os Rabulas do STF. estão muito preocupados com os custos das impressoras, que tenho a impressão que o dinheiro para custear estas despesas sairão de seus polpudos salários. Tenha algo muito estranhos nesta historia Eles nunca se preocuparam com custos de absolutamente nada. Credo!

    1. Com certeza, se o presidente pudesse, já tinha detonado esses caras, porém acredito que ele aceite sugestões para solucionar o problema, mas dentro da lei, vamos lá oriente.

  4. Ministros do Supremo e do TSE falam muita bobagem sobre um assunto técnico que desconhecem por completo. Atuam como o boneco do ventríloquo. As suas afirmações são manipuladas pelos técnicos do TSE.

    A lógica leiga conflita com as melhores práticas recomendadas pelo TCU, a norma ISO 27001 e todos os especialistas em segurança da informação e governança de gestão.

    1. Queria saber se esses ministros aceitariam um banco onde só dão “saldo”… Sem descrição de onde e com o que você gastou …pois é exatamente isso uma urna eletrônica

  5. Michel Temer deve estar deprimido por ter indicado tipo tão estranho para o STF. Afinal, Temer não consegue enxergar que Alexandre de Moraes esta fazendo com Bolsonaro o mesmo que Fachin e Barroso fizeram com ele, naquela forjada e fajuta delação premiadíssima do maior criminoso empresarial do pais, e com o inquérito dos portos por 4 vezes prorrogado na PF por Barroso?
    Professor Michel, acorde e recomende compostura, ética e honradez a esse seu discipulo.

  6. Quem é esse sujeitinho pra falar em democracia? A conduta desrespeitosa desse Moraes, com prisões ilegais e todo tipo de agressão à CF, faz da fala dele uma ofensa ao povo e uma chacota. Democracia é a vontade do povo. Isso é tudo, juizeco.
    Os incapazes de entender essa premissa, calem-se.

  7. O STF DEVERIA SE ENVERGONHAR POIS O VOTO AUDITAVEL SIM CONTRIBUI COM A DEMOCRACIA. O OUTRO QUE VOCÊ NÃO CONSEGUE COMPROVAR SE VOTOU EM UM CANDIDATO OU NÃO É IMORAL POIS FICARÁ SEMPRE A DUVIDA.O POLITICO QUE APOIA O VOTO NÃO AUDITAVEL É PORQUE SABE QUE A URNA PODE SER FRAUDADA AI É FACIL.O GOLPE ESTÁ AI CAI QUEM QUER. V VOTO AUDITAVEL JÁ.

  8. Todos sabemos que não há provas devido as urnas eletrônicas terem sido construídas, programadas e configuradas de má fé para isso mesmo de não deixar rastros!

  9. O problema aqui é o conceito de “democracia”. Sabe-se que a linguagem esquerdista costuma redefinir conceitos. Cuba, por exemplo, tem “eleições livres” e é considerada uma “democracia” pelos esquerdistas. Idem Venezuela, que tem até “excesso de democracia”, e idem Nicarágua (assunto de matéria aqui na Oeste).

  10. Primeiro soltaram o capo de nove dedos. Depois anularam todos os processos em que o canalha foi condenado em 02 instâncias e por 10 juízes. Agora precisam garantir que ele seja eleito, senão do que adiantou tanto esforço… VOTO AUDITÁVEL JÁ!

  11. MAS ESSE AÍ, QUANDO FOI SECRETÁRIO DA SSP-SP E MINISTRO DA JUSTIÇA, NÃO QUIS SABER DE ENVIAR LÍDERES DO PCC PAULISTA PARA PRESÍDIOS FEDERAIS.

    DURANTE AS SUAS DUAS GESTÕES, O QUE FACÇÕES CRIMINOSAS FIZERAM NO BRASIL DEVERIA CAIR NAS COSTA DELE.

  12. Gostaria de saber o motivo de tanta resistência. A população está se movimentando para reivindicar sistema de votação mais confiável e os ministros atacam. Qual o propósito??? Até o falso do PSDB, agora, está contra. O próprio Aécio contratou técnicos para auditar as urnas nas eleições de 2014 e pasmem, os técnicos não conseguiram afirmar se houve, ou, não fraude. PSDB se afundando na lama cada vez mais.

  13. O problema é exatamente esse: “o voto eletrônico é controlado do começo ao fim”. Do que Moraes e Barroso temem com o voto impresso auditável?

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site