STJ mantém Witzel fora do governo do RJ

Corte Especial do tribunal forma maioria para que o político do PSC siga afastado do cargo
-Publicidade-
Passado: Wilson Witzel despachando enquanto ainda era o governador do Rio de Janeiro | Foto: ARQUIVO PESSOAL/INSTAGRAM
Passado: Wilson Witzel despachando enquanto ainda era o governador do Rio de Janeiro | Foto: ARQUIVO PESSOAL/INSTAGRAM | wilson witzel - afastado pelo stj

Corte Especial do tribunal forma maioria para que o político do PSC siga afastado do cargo

wilson witzel - afastado pelo stj
Passado: Wilson Witzel despachando enquanto ainda era o governador do Rio de Janeiro | Foto: ARQUIVO PESSOAL/INSTAGRAM

Cláudio Castro (PSC) seguirá como governador do Rio de Janeiro pelo menos ao decorrer dos próximos seis meses. Essa é a consequência prática da decisão tomada hoje pela Corte Especial do Superior Tribunal de Justiça (STJ). Isso porque já se formou maioria qualificada para manter o afastamento de Wilson Witzel (PSC) da função.

-Publicidade-

Leia mais: “Justiça prorroga prisão de Pastor Everaldo”

No fim da tarde desta quarta-feira, 2, o placar do julgamento chegou a 10 a 1 contra Witzel. Ou seja: dois terços da Corte Especial do STJ, que é composta por 15 ministros, validaram a decisão tomada de forma monocrática por Benedito Gonçalves na última sexta-feira, 28. Formou-se, assim, a necessária maioria qualificada.

Nono a votar de forma desfavorável a Witzel, o ministro Raul Araújo reforçou que, de acordo com o Ministério Público, o julgado é tido como “chefe de organização criminosa”. Nesse sentido, ele citou que o escritório de advocacia da esposa do governador afastado, Helena Witzel, também é suspeito de funcionar como meio para recebimento de propinas. Na sequência, a ministra Isabel Gallotti “referendou a decisão do relator.”

Ao todo, dos 15 votos registrados, apenas Napoleão Nunes foi contrário à manutenção do afastamento de Witzel. Penúltimo a votar, Sérgio Kukina foi além: pediu a prisão preventiva de Witzel..

Inquéritos e processo de impeachment

Dessa forma, Witzel não retornará ao cargo de governador do Rio de Janeiro. Colocando-se na condição de alguém “linchado politicamente”, conforme noticiou Oeste no último fim de semana, ele é alvo de três inquéritos no Poder Judiciário. Entre outros pontos, o político é suspeito de envolvimento em esquema de corrupção na Secretaria de Saúde do Estado fluminense. Além disso, é alvo de processo de impeachment na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro (Alerj).

MAIS: “Certeiro: Augusto Nunes avisou em junho que Witzel seria o primeiro a cair”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

3 comentários Ver comentários

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.