Pandemia ‘radicalizou’ novas formas de mobilidade nas grandes cidades, dizem especialistas

Evento promovido pela Lab4Cities Digital discutiu uso de aplicativos, bilhetagem eletrônica e incentivo às bicicletas
-Publicidade-
Inovação e mobilidade integrada foram temas de painel de debate desta terça-feira, 27
Inovação e mobilidade integrada foram temas de painel de debate desta terça-feira, 27 | Foto: Reprodução

Em um debate promovido pela plataforma de inovação Lab4Cities Digital em parceria com InovaBra Habitat, nesta terça-feira, 27, especialistas em mobilidade urbana concordaram que a pandemia de covid-19, que restringiu a locomoção dos brasileiros, serviu para reforçar a necessidade de novas formas de uso do transporte público e individual, especialmente nas grandes cidades do país.

No painel principal do evento, que tratou de inovação e mobilidade integrada, os debatedores falaram sobre as dificuldades do cidadão que se desloca diariamente por meio de ônibus, metrô ou trens, o crescimento de alternativas como o Uber e outros aplicativos e o maior incentivo à utilização de bicicletas.

Leia mais: “Cidade dos EUA se transforma com tecnologias de mobilidade”

-Publicidade-

Participaram do encontro, transmitido on-line, Maina Celidônio, secretária municipal de Transportes do Rio de Janeiro; Renata Rabello, gerente de planejamento urbano da Tembici; Marcel Martin, coordenador do portfólio de transporte no Instituto Clima e Sociedade; Douglas Tokuno, head LATAM na Waze Carpool; e Victor Andrade, coordenador do Laboratório de Mobilidade Sustentável (Labmob) e professor do programa de pós-graduação e urbanismo da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro (FAU-UFRJ).

“A pandemia radicalizou e ampliou isso [as mudanças na mobilidade urbana], com o que chamamos de espaços híbridos. Há uma ampliação da economia do compartilhamento, do uso de aplicativos e novas formas de acessar a locomoção e o entendimento do deslocamento como um serviço”, destacou Andrade. Segundo ele, “inovação e mobilidade integrada são essenciais para podermos quebrar esse padrão e ampliarmos o acesso à cidade”. 

Leia também: “Prefeitos e governadores continuam agindo como se o vírus não pegasse em ônibus”

“A gente tem a nossa capital, Brasília, que obviamente tem muitas qualidades, mas mostra muita obsolescência no seu desenho”, exemplificou. “Esse desenho, essa visão de futuro, foi refletida em diversas cidades do Brasil e impactou a forma como nós nos locomovemos. Temos um desenho de cidade extremamente segregado. Isso está atrelado a uma infraestrutura de transportes também muito desigual.”

Bilhetagem eletrônica

A secretária de Transportes da prefeitura do Rio, Maina Celidônio, falou sobre o novo programa de bilhetagem digital anunciado na semana passada, que prevê maior transparência às informações do sistema de transporte público. O objetivo é acabar com a “caixa preta” dos transportes, como chegou a dizer o prefeito do Rio, Eduardo Paes (PSD).

Leia mais: “Veículos elétricos: para diminuir dependência da China, LG investirá US$ 5,2 bilhões na produção de materiais para baterias”

Atualmente, as informações sobre despesas e arrecadação das operadoras são reunidas e controladas pelas próprias companhias. A partir do acesso ao cálculo real da demanda e das receitas do sistema de transporte, a prefeitura poderá dar crédito às empresas e ficar com uma porcentagem do faturamento, o que pode levar até à eventual redução no preço da passagem. 

Prefeitura do Rio pretende adaptar estações de ônibus e metrô da cidade para que as pessoas possam deixar suas bicicletas em segurança | Foto: Alexandre Macieira|Riotur

“A bilhetagem eletrônica é uma ferramenta muito poderosa que vai nos permitir ter muito mais informação e integração digital, além de informação para o público na hora de pagar o transporte. É um verdadeiro passe de mobilidade”, disse Maina. “Queremos mudar uma remuneração por passageiro por uma remuneração por quilômetro rodado. […] A integração passa a ser um jogo muito natural.”

Em relação às bicicletas, a secretária afirmou que “uma das metas do planejamento estratégico da cidade é ter todas as estações de média capacidade integradas com uma estrutura de bicicletários”. “O Rio tem um apelo muito turístico, da beleza e do lazer. Mas, de fato, queremos usar a bicicleta como um modo de você se locomover integrado ao transporte de massa. A bicicleta é uma última milha importante”, disse. “Estamos planejando a reformulação das estações, já prevendo grandes bicicletários para as pessoas guardarem suas bicicletas com segurança.”

Leia também: “A aglomeração dos invisíveis”, reportagem de Silvio Navarro publicada na Edição 56 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro