-Publicidade-

Ernesto Araújo pede demissão do Ministério das Relações Exteriores

Chanceler vinha sendo pressionado por lideranças do Centrão e sua situação ficou insustentável
Ernesto Araújo pediu demissão; Palácio do Planalto ainda não confirma oficialmente
Ernesto Araújo pediu demissão; Palácio do Planalto ainda não confirma oficialmente | Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Ernesto Araújo não é mais o ministro das Relações Exteriores. Ele pediu demissão e anunciou a saída do cargo em reunião nesta segunda-feira, 29, com secretários e auxiliares da Pasta, informa O Globo. A saída de Araújo ainda não foi confirmada pelo Palácio do Planalto. O pedido de demissão será apresentado nesta tarde ao presidente Jair Bolsonaro.

Pressionado por lideranças do Centrão que exigiam sua demissão, Araújo havia cancelado todos os compromissos oficiais desta segunda-feira e convocado alguns dos auxiliares mais próximos para uma reunião.

No domingo 28, como noticiamos, Araújo revelou o breve diálogo que teve com a senadora Kátia Abreu (PP-TO) em um almoço no Itamaraty no início do mês. “Conversa cortês. Pouco ou nada falou de vacinas. No final, à mesa, [ela] disse: ‘Ministro, se o senhor fizer um gesto em relação ao 5G, será o rei do Senado’. Não fiz gesto algum”, escreveu o ministro no Twitter. “Desconsiderei a sugestão inclusive porque o tema 5G depende do Ministério das Comunicações e do próprio presidente da República, a quem compete a decisão última na matéria.”

Em resposta, a senadora não economizou críticas ao chanceler, a quem chamou de “marginal”. “O Brasil não pode mais continuar tendo, perante o mundo, a face de um marginal. Alguém que insiste em viver à margem da boa diplomacia, à margem da verdade dos fatos, à margem do equilíbrio e à margem do respeito às instituições. Alguém que agride gratuitamente e desnecessariamente a Comissão de Relações Exteriores e o Senado Federal”, afirmou a parlamentar em nota divulgada à imprensa.

Na semana passada, em entrevista ao programa Opinião no Ar, da RedeTV!, o deputado Ricardo Barros (PP-PR), líder do governo de Jair Bolsonaro na Câmara, disse que o incisivo pronunciamento do presidente da Casa, Arthur Lira (PP-AL), falando em “sinal amarelo” para o Executivo, foi praticamente um pedido para a substituição de Araújo. Segundo Barros, a atuação do chanceler à frente do Itamaraty no combate à pandemia de covid-19 é um grave problema que precisa ser enfrentado pelo presidente Jair Bolsonaro.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.
-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.