STF forma maioria pela anulação de condenações de Lula na Lava Jato

Por 8 votos a 3, plenário da Corte segue entendimento do relator do caso, Edson Fachin; petista recupera os direitos políticos e pode se candidatar
-Publicidade-
Maioria do STF acompanhou o relator Edson Fachin e votou pela anulação das condenações de Lula
Maioria do STF acompanhou o relator Edson Fachin e votou pela anulação das condenações de Lula | Foto: Paulo Pinto/Agência PT

O plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) referendou nesta quinta-feira, 15, a decisão do ministro Edson Fachin de anular condenações do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) no âmbito da Operação Lava Jato. O placar final foi de 8 a 3 a favor do petista.

Na sessão de hoje, acompanharam o voto do relator os ministros Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso. Foram contrários à anulação das condenações os ministros Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux.

-Publicidade-

Fachin declarou a incompetência da Justiça Federal do Paraná nos casos do tríplex do Guarujá, do sítio de Atibaia e das doações ao Instituto Lula. Segundo o ministro, a 13ª Vara Federal de Curitiba não era o “juízo natural” dos casos. Os processos foram encaminhados à Justiça Federal do Distrito Federal.

Na esteira das anulações das condenações de Lula, a Segunda Turma do STF retomou o julgamento da suspeição do ex-juiz Sergio Moro nos processos relativos a Lula, analisando um habeas corpus apresentado pela defesa do petista. Por 3 votos a 2, Moro foi considerado suspeito.

Na primeira parte do julgamento, na quarta-feira 14, por 9 votos a 2, o STF decidiu que o caso deveria mesmo ser julgado pelo plenário, como entendeu Fachin, e não pela Segunda Turma.

Voto do relator

O relator do caso, Edson Fachin, afirmou que “o Ministério Público Federal [MPF], à época em que apurou a denúncia, tinha ciência da extensão alcançada pelas condutas que lhe foram imputadas, as quais abarcavam não só a Petrobras, mas outros órgãos públicos”.

Leia mais: “Fachin pede para ser transferido para a Primeira Turma do STF”

O magistrado citou a jurisprudência do próprio STF, como na análise do inquérito 4130, envolvendo a ex-senadora e hoje deputada federal Gleisi Hoffmann (PT-PR). “Este plenário assentou que nenhum órgão jurisdicional pode arvorar-se de juízo universal de todo e qualquer crime relacionado a desvio de verbas para fins político-partidários”, completou o ministro.

Outros ministros

O segundo a votar foi o ministro Nunes Marques, que divergiu do entendimento do relator e votou contra a anulação das condenações. “A competência, ao meu sentir, é da 13ª Vara Federal de Curitiba”, afirmou. “A reunião de processos responde, antes de tudo, a uma necessidade de racionalização do serviço judiciário”, completou o magistrado.

O ministro disse ainda, ao ler seu voto, que “o legislador parte do pressuposto de que em certas situações, tendo os órgãos judiciários o mesmo grau hierárquico, não faz sentido deixar correr em separado ações que, conjuntamente, podem ser resolvidas com maior presteza”.

Na sequência, o ministro Alexandre de Moraes acompanhou o relator e votou pela anulação das condenações de Lula. “Uma alegação genérica de que há uma organização criminosa que atua em várias frentes, que pratica corrupção, peculato, lavagem de dinheiro, com várias empresas, não serve para firmar competência”, afirmou.

Leia também: “5 fatos para entender por que Lula não é inocente”

“A partir disso, os atos concretos apontados é que devem ser analisados. Não há conexão em qualquer das suas espécies simplesmente porque empresas têm contratos entre si e empresas são acusadas de pagar propina a agentes públicos”, prosseguiu o ministro. “Se analisarmos detalhadamente cada denúncia desses quatro casos, vamos verificar que em nenhuma delas nem o Ministério Público nem o juiz Sergio Moro apontou que o dinheiro veio da OAS ou da Odebrecht, em um contrato da Petrobras, e que um percentual foi para isso. […] A partir de algo genérico, se denunciou o ex-presidente Lula.”

A única divergência de Moraes em relação a Fachin foi em relação ao destino das investigações sobre Lula. O ministro entende que os processos devem ser encaminhados para a Justiça de São Paulo, e não para o Distrito Federal.

Maioria formada

A ministra Rosa Weber também acompanhou o relator e votou pela anulação das condenações de Lula. “Em matéria de fixação, alteração ou modificação de competência de processos com tamanha multiplicidade de condutas, eleva-se em importância o foco narrativo do relator dos casos, cujo feixe de incidência ilumina o caminho da Corte”, disse a ministra. “Tenho para mim que a estabilidade dos precedentes judiciais configura elemento de concretização da segurança jurídica.”

O ministro Dias Toffoli, por sua vez, se limitou a dizer que acompanhava, “na íntegra”, o voto do relator. Após Fux anunciar que pretendia suspender a sessão e retomá-la na próxima semana, outros ministros resolveram anunciar antecipadamente seus votos, sem muitos detalhes. Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski e Cármen Lúcia se manifestaram de forma muito rápida e acompanharam o voto do relator, a favor de Lula.

Após a maioria ser formada, o ministro Marco Aurélio Mello leu seu voto e divergiu do relator, acompanhando Nunes Marques. “Peço vênia, senhor presidente, para não decepcionar a sociedade brasileira”, afirmou o magistrado, que votou de forma contrária à anulação das condenações.

Na sequência, o ministro Luís Roberto Barroso — que sequer havia participado da sessão até então — pediu para se manifestar e proferiu o voto, acompanhando a maioria e o entendimento de Fachin. “Estou ingressando para endossar o encaminhamento dado pelo eminente relator”, afirmou Barroso.

Encerrando o julgamento, o presidente do STF, Luiz Fux, fez elogios ao voto do relator e também dos ministros Marco Aurélio e Barroso. Segundo ele, a decisão da Corte não é um ataque à Operação Lava Jato. “Como os ministros apontaram, é uma decisão referente aos casos específicos a que ela se refere”, afirmou Fux. “Foi uma incompetência [da Vara Federal de Curitiba] declarada no caso concreto.” O presidente do STF divergiu de Fachin e, acompanhando Marco Aurélio e Nunes Marques, votou contra a anulação das condenações.

Leia também: “Lula, o dono do Supremo”, artigo de J. R. Guzzo publicado na Edição 53 da Revista Oeste

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

20 comments

  1. Continua sendo um grandissíssimo filho de mãe joana, comunista que fodeu o Brasil, nunca trabalhou essa merda!!!
    O que nos conforta é que já perdeu muito do que roubou, e ainda vai entregar muita grana para os grandes escritórios. De menos para o zanin, que tá trabalhando como um relógio.
    O que nos conforta é que 80% do povo brasileiro o verá em breve no caixão, como um miserável que, se a Marisa estivesse viva, o enterrava com um cheque de 500 milhões de dólares “nominativo”, e com as “cópias” de todas as escrituras de fazendas aquí, no Paraguai e adjacências.
    O que nos conforta é que esse bosta é radical e acabará de enterrar esse esquema criminoso cujo legado deixou!!!

  2. LulaLúcifer – a maior demônio ladrão da historia da humanidade. Para os: Preguiçosos; Analfabetos e Ladrões que o apoiam está tudo lindo.

  3. STF aparelhado, temos que mudar isso, uma PEC de iniciativa popular tem que exterminar esse câncer do país. Essa Constituição de 1988 tem que ser revogada por um texto sério, é uma jaboticaba garantista, criou um monte de monstros, um deles essa bomba chamada STF!

  4. FINALIDADE DA DECISÃO DO SUPREMO: PRESCRIÇÃO. FACCHIN USOU COMO ARGUMENTO A INCOMPETÊNCIA DO JUÍZO DA VARA DE CURITIBA. PODERIA TER USADO QUALQUER ARGUMENTO, ATÉ A RESPEITO DA COR DO TERNO DO JUIZ QUE NÃO COMBINAVA COM A COR DAS PAREDES DO FÓRUM. A FINALIDADE É APENAS A PRESCRIÇÃO!!!

  5. Prova de amor ao Brasil, é continuar seguindo os DEZ MANDAMENTOS, ao invés de onze. Já somos obrigados a votar e a financiar campanhas… Agora, Não podem nos obrigar a sermos seguidores, devotos da Seita Vermelha.

  6. Se o ex-ministro da saúde foi omisso, s.m.j., o Fachim foi totalmente omisso. Levou 4 anos para se convencer de que os processos do Lula deveriam ser processados e julgados em outra região. Ele, como relator tinha obrigação de alertar e mandar para o plenário a decisão que agora é julgada. Muita gente trabalhou e ficou envolvida na tramitação de processos: agentes policiais, investigadores, peritos, inteligência, logística e até contatos com organismos internacionais. Muito dinheiro foi gasto. O Fachim deveria ser processado e impichado por esta falta de competência e sabedoria. Nós temos o direito de pensar que foi uma decisão política e ideológica, uma vingança de quem perdeu as eleições.

  7. Apenas mais uma vergonha na longa lista de vergonhas desse pseudo-tribunal constitucional. Tendo em vista a óbvia inação do Senado, só o artigo 142 para resolver isto mesmo.

  8. Definitivamente, o pau vai comer, e ninguém pode reclamar de falta de democracia, pois esta só existe quando se respeita o resultado das urnas, e a esquerda ladra, composta da escumalha se seus partidos políticos e mais o STF, nunca deixaram o presidente eleito governar.

  9. Quando um advogado interpõe recursos em cima de recursos, com fundamentações
    ridículas, não é necessário ter QI de gênio para se constatar que a finalidade é esticar o processo até chegar à PRESCRIÇÃO, ou seja, a EXTINÇÃO por decurso de prazo. Portanto, todos os órgãos do PODER JUDICIÁRIO que se envolveram nos julgamentos desses recursos, mais de uma centena, foram culpados na medida em que permitiram, sob alegação de não impedir o direito de defesa, que se desvirtuasse esse direito. Deveriam ter tido a CORAGEM de negar recursos protelatórios, decretando a LITIGÂNCIA DE MÁ FÉ, com todas as consequência legais cabíveis e que fosse a jararaca e seus advogados reclamar com o bispo, com o papa, com a ONU, com a União Europeia, com o Xi Jinping e com o capeta nos quintos dos infernos!!!

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site