TSE rebate Bolsonaro: ‘A acusação leviana de fraude no processo eleitoral é ofensiva a todos’

Tentar impedir eleições 'viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade', diz o tribunal
-Publicidade-
Tribunal Superior Eleitoral divulgou nota para rebater declarações do presidente Jair Bolsonaro
Tribunal Superior Eleitoral divulgou nota para rebater declarações do presidente Jair Bolsonaro | Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em nota divulgada nesta sexta-feira, 9, o Tribunal Superior Eleitoral (TSE) rebateu as declarações do presidente Jair Bolsonaro, que defendeu o voto “impresso” nas eleições de 2022 e afirmou que as eleições presidenciais de 2014, vencidas por Dilma Rousseff (PT), tiveram “fraude”.

No comunicado, o TSE classifica as afirmações de Bolsonaro de “lamentáveis quanto à forma e ao conteúdo”. “Desde a implantação das urnas eletrônicas, em 1996, jamais se documentou qualquer episódio de fraude. Nesse sistema, foram eleitos os presidentes Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva, Dilma Rousseff e Jair Bolsonaro. Como se constata singelamente, o sistema não só é íntegro como permitiu a alternância no poder”, diz o tribunal.

Leia mais: “‘Eleição vai haver. Eu garanto’, diz Barroso após críticas de Bolsonaro”

-Publicidade-

“Especificamente, em relação às eleições de 2014, o PSDB, partido que disputou o segundo turno das eleições presidenciais, realizou auditoria no sistema de votação e reconheceu a legitimidade dos resultados”, prossegue o TSE na nota divulgada à imprensa.

O comunicado diz ainda que “a acusação leviana de fraude no processo eleitoral é ofensiva a todos” os integrantes do tribunal eleitoral. “O corregedor-geral eleitoral já oficiou ao presidente da República para que apresente as supostas provas de fraude que teriam ocorrido nas eleições de 2018. Não houve resposta”, diz o texto.

Leia mais: “Bolsonaro volta a criticar Barroso e defende voto ‘impresso’ em 2022”

“A realização de eleições, na data prevista na Constituição, é pressuposto do regime democrático. Qualquer atuação no sentido de impedir a sua ocorrência viola princípios constitucionais e configura crime de responsabilidade”, finaliza o TSE.

Críticas a Barroso

Nesta manhã, como Oeste noticiou, Bolsonaro fez críticas ao presidente do TSE, Luís Roberto Barroso, que é contra o voto “impresso” nas eleições no ano que vem. “Não tenho medo de eleições. Entrego a faixa a quem ganhar. No voto auditável. Nessa forma, corremos o risco de não termos eleição no ano que vem. Porque é o futuro de vocês que está em jogo”, disse o presidente a apoiadores ao deixar o Palácio da Alvorada.

Leia também: “Bolsonaro: ‘Barroso não quer mais transparência nas eleições’”

Barroso, por sua vez, respondeu aos comentários do presidente. “Eu não paro para bater boca”, disse o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) ao blog do jornalista Josias de Souza, do portal UOL. “Cumpro o meu papel, pelo bem do Brasil. Eleição vai haver, eu garanto.”

Leia também: “Bolsonaro: ‘Ou fazemos eleições limpas no Brasil, ou não temos eleições’”

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

28 comentários

  1. Quem Barroso representa? Quantos votos ele teve? O poder emana do povo, o pragmatismo considera que vem da ponta do fuzil. Nada disso ele tem!

  2. O que Barroso tem feito para o bem do Brasil eu ainda não vi, ao contrario, como advogado quis manter no pais o assassino Battisti condenado a prisão perpetua pela democrática justiça italiana, para desonra de nossa democracia, defendendo claramente terrorista italiano simpático ao partido que o indicou ao STF. Ahh.. não esqueçamos que defendeu ardorosamente a forjada e fajuta delação premiadíssima da JBS promovida por Joesley/Janot/Fachin e Globo contra o presidente Temer, que não conseguiu seu intento todavia impediu a aprovação da reforma previdenciária em maio/17. Difícil entender porque não quer TRANSPARÊNCIA nas urnas eletrônicas.

  3. O recado do Borroso, líder dessa trupe lobista no Senado contra o voto auditável, é simples Presidente Bolsonaro: ABRA O COFRE QUE EU LIBERO A URNA!

  4. Tudo papo furado. Temos que tirar o poder de fraude eleitoral do TSE urgentemente. A última eleição dos prefeitos foi fraudada na cara dura. Aquele apagão não tem explicação!

  5. Já existe proposta ALTERNATIVA ao Voto Impresso que garante 95% de confiança ao resultado das eleições, com 1% de margem de erro e com custos mínimos, se forem adotados os procedimentos sugeridos nesse vídeo do Canal OBTJ -> https://youtu.be/ebVV0EldkOY. Nada mais é que um teste de integridade em tempo real a ser realizado no dia das eleições em apenas 2% das urnas. Essa ideia resolve toda a polêmica, lembrando que o próprio voto impresso pode ser fraudado. OUTRA VANTAGEM, não depende de Emenda Constitucional para ser aprovada, só de Lei.

  6. É simples acabar com essa pendenga. Vamos aprovar o voto auditável. Pq não? O STF subestima a inteligência dos cidadãos. Insistir no voto não auditável, não seria uma confissão de que se aposta numa provável fraude, ou mesmo, que ela já está armada?

  7. Afora a politicagem, assistimos pessoas de alto quilate confundindo conceitos como genocídio, democracia, nazismo, comunismo. Ou seja, confunde-se conceitos bem definidos em dicionários não técnicos, como o Aurelião. Agora, outro termo contestado é fraude. Ela pode ser de vários tipos. O mais usado é usar dinheiro sujo para comprar votos e verbas para turbinar partidos através de corrupção. É tudo uma questão interpretativa. A esquerda fará de tudo para não perder a eleição.

  8. Esta completa desmoralizada estabelecimento que é o STF vive rasgando a constituição e agora vem com esta conversa mole de que o presidente está cometendo crime de responsabilidade. Ousem tirá-lo do poder !

  9. Não, T$E! A fraude eleitoral é que ofensiva à sociedade de bem. A vocês, do quanto pior melhor, interessa manter tudo como está para eleger quem vocês bem entenderem. Só que nós, que queremos um Brasil livre dessa esquerdalha do diabo, não permitiremos falcatrua alguma nas próximas eleições. Não se esqueçam: quem paga vocês, pelos péssimos serviços que prestam, é o sacrificado pagador de impostos. Vocês deveriam ter vergonha na cara por defender esse processo eleitoral, que só existe por aqui.

  10. PORQUE OS MINISTRO DO STJ E STE ESTÃO FAZENDO REUNIÃO COM OS POLITICOS PORQUE QUAL O INTERESSES?
    QUERO LISURA NAS ELEIÇÕES E DESEJO VER O MEU VOTO !
    NÃO ENTENDO PORQUE O CONGRESSO MUDOU O QUE APROVOU!!!
    SERA PORQUE O STF NÃO JULGA OS PROCESSOS DOS DEPUTADOS DEIXANDO MORRER MORRER COM O TEMPO ?

  11. Voto eletrônico certificado

    Estes são os problemas da atual urna eletrônica, que podem ser resolvidos com a solução proposta pela Associação GRITA!, que inclui o voto eletrônico legal certificado pela ICP-Brasil.

    1. Eliminação do poder de manipular os resultados
    É necessário eliminar o poder de manipular resultados de eleições, sem deixar qualquer rastro. Hoje, este poder existe nas mãos de um pequeno número de pessoas, no TSE. Quem realiza eleições não pode, também, desenvolver software, certificar equipamentos e programas, auditar os resultados das eleições e julgar eventuais desvios nas atividades.

    2. Certificação independente dos equipamentos e programas
    É necessário fazer a certificação prévia dos equipamentos e programas utilizados na eleição, por entidade acreditada pelo INMETRO, por exemplo, independente do TSE, para assegurar, de modo transparente, que o sistema entrega a funcionalidade prevista.

    3. Garantia da integridade de todo o sistema
    É necessário assegurar a integridade dos programas e equipamentos, ao longo de todo o processo, antes, durante e depois da votação, através de auditorias realizadas por entidades independentes do TSE, previamente credenciadas.

    4. Certificação dos resultados da votação
    É necessário certificar os resultados, através de auditorias independentes, após a eleição. A atual votação paralela não tem qualquer valor técnico, porque um programa invasor saberá facilmente como contorná-la.

    5. Materialidade do voto em documento eletrônico legal
    É necessário materializar cada voto em um documento eletrônico certificado pela ICP-Brasil, para dar validade legal ao voto, de acordo com a legislação vigente. O atual RDV (Registro Digital do Voto) reúne todos os votos em um único arquivo e não protege os votos contra apagamento ou alterações, no caso de quebra de segurança da urna.

    6. Proteção do voto, contra apagamento ou alterações
    É necessário substituir a atual Memória de Resultados, um pendrive comum, por uma nova memória, com tecnologia de última geração, que só permita gravar cada voto uma vez e impeça o apagamento ou alteração de todos os dados.

    7. Sigilo do voto
    É necessário remover a identificação do eleitor da urna eletrônica, para eliminar a atual possibilidade de violar o sigilo do voto, em caso de quebra de segurança da urna eletrônica. A identificação do eleitor poderia ser feita pelo aplicativo e-Título do TSE, por exemplo.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site