Repressão da China gera ‘migração mineradora’ de bitcoin para o Texas

Regime comunista vem obrigando províncias a suspenderem mineração de criptomoeda
-Publicidade-
Regime comunista chinês vem levando a cabo uma política de forte repressão à mineração de bitcoins
Regime comunista chinês vem levando a cabo uma política de forte repressão à mineração de bitcoins | Foto: Reprodução/Redes Sociais

A guerra do regime chinês contra as criptomoedas vem se intensificando nas últimas semanas, com forte repressão do governo comunista. Entre as medidas tomadas nos últimos dias, estão ordens para o fechamento de operações de mineração em algumas províncias do país e duras restrições ao comércio de bitcoins.

Mais da metade dos mineradores de bitcoin em atividade se concentram na China, mas há um contingente cada vez mais significativo que vem deixando o país asiático — o êxodo vem sendo chamado de “grande migração mineradora”. Entre os possíveis beneficiários deste movimento, está o Estado do Texas, nos Estados Unidos, relata reportagem da CNBC.

Leia mais: “Após restrições da China, bitcoin despenca e é cotada abaixo de US$ 40 mil”

-Publicidade-

Segundo documentos revelados na semana passada, o regime chinês determinou que a província de Qinghai parasse de “aprovar e criar novos projetos de mineração de criptomoeda”, suspendendo imediatamente “todas as operações existentes”.

A mineração de bitcoins é um processo que faz uso intensivo de energia para criar novas moedas, mantendo o registro de todas as transações de tokens digitais existentes. Apesar da falta de reservas responsável por apagões no ano passado, o Texas tem preços de energia que ainda estão entre os mais baixos do mundo. Nos últimos anos, sua participação nas energias renováveis está crescendo de forma expressiva. O governador do Texas, Greg Abbott, é entusiasta da mineração.

Leia mais: “China proíbe transações com criptomoedas”

Ainda não há dados disponíveis sobre 2021, mas até o ano passado a China era responsável por 65% a 75% da mineração de bitcoin do mundo. Nos últimos meses, muitos mineradores ampliaram os horizontes e vêm buscando mercados de países da Europa e dos Estados Unidos.

Impacto nos mercados

Em maio, como noticiamos, a cotação do bitcoin chegou a despencar, caindo abaixo de US$ 40 mil pela primeira vez desde fevereiro, em função da preocupação dos mercados após o anúncio de instituições financeiras da China de que não aceitariam transações com criptomoedas.

Na ocasião, a moeda digital atingiu a cotação mínima de US$ 36,2 mil, de acordo com a bolsa de criptomoedas Coindesk. O valor significou um declínio de 45% em relação à cotação máxima alcançada pelo bitcoin (US$ 64,8 mil).

Com informações da CNBC e de agências internacionais

Leia também: “O jogo do gigante”, reportagem publicada na Edição 58 da Revista Oeste

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site