CPI retoma os trabalhos e ouve intermediários que negociaram vacinas

Comissão volta a tomar depoimentos depois de duas semanas de recesso
-Publicidade-
Randolfe Rodrigues, Omar Aziz e Renan Calheiros: CPI da Covid retoma os trabalhos nesta semana
Randolfe Rodrigues, Omar Aziz e Renan Calheiros: CPI da Covid retoma os trabalhos nesta semana | Foto: Jefferson Rudy/Agência Senado

Depois de duas semanas de recesso, a CPI da Covid no Senado Federal retoma suas atividades nesta semana e se prepara para colher os depoimentos de intermediários que teriam negociado a aquisição de vacinas contra a covid-19.

Na terça-feira 3, a comissão deve ouvir o reverendo Amilton Gomes de Paula, fundador da Secretaria Nacional de Assuntos Humanitários (Senah), que teria negociado a venda da vacina AstraZeneca em nome do governo brasileiro.

Leia mais: “Rosa Weber nega pedido para suspender efeitos de prisão na CPI da Covid”

-Publicidade-

Segundo reportagem exibida pela TV Globo, o reverendo teria recebido aval para que negociasse a aquisição de 400 milhões de doses do imunizante com a empresa intermediária Davati Medical Suplly. Ainda de acordo com a emissora, o valor negociado pelo reverendo teria sido de US$ 17,50, três vezes superior ao que o Ministério da Saúde pagou em janeiro deste ano para um laboratório indiano.

Na quarta-feira 4, será a vez do coronel Marcelo Blanco, ex-diretor substituto do Departamento de Logística do Ministério da Saúde. Ele teria participado de um jantar em um restaurante de Brasília, onde supostamente teria ocorrido pedido de propina em negociação para compra da vacina da AstraZeneca.

Leia também: “Reverendo que teria negociado vacinas apresenta atestado para não ir à CPI”

A presença de Blanco no jantar foi citada em depoimentos à CPI tanto por Roberto Dias, ex-diretor do Departamento de Logística do Ministério da Saúde, quanto pelo cabo da Polícia Militar de Minas Gerais Luiz Paulo Dominguetti.

Leia também: “Governo exonera diretor da Saúde que teria autorizado reverendo a comprar vacina”

Por fim, na quinta-feira 4, o empresário Airton Cascavel será ouvido pelos membros da CPI. Segundo as investigações da comissão, ele teria atuado de maneira informal pelo menos entre maio e junho do ano passado, em nome do então ministro da Saúde, Eduardo Pazuello. Mais tarde, o empresário foi nomeado assessor especial de Pazuello, cargo que ocupou de 24 de junho de 2020 a 21 de março deste ano, quando foi exonerado.

J. R. Guzzo: “A CPI da Covid não investiga nada”

Com informações da GloboNews

Telegram
-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários

  1. Terça Feira: Reverendo picareta
    Quarta Feira: Coronel picareta
    Quinta Feira: Empresário que nunca ouvi falar mas pelo sobrenome, deve ser gente boa.
    CPI da picaretagem.

  2. Respeitável público…Agora no picadeiro mais uma atração do circo da CPI. E continua o espetáculo do horror e da hipocrisia. Haja antiácido!!!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Meios de pagamento
Site seguro