Relator do voto ‘impresso’ lamenta derrota: ‘Interferência indevida do TSE’

'Nós tivemos a maioria do plenário, mas não atingimos os 308 votos necessários por se tratar de uma PEC', afirma Filipe Barros
-Publicidade-
Deputado Filipe Barros | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados
Deputado Filipe Barros | Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

O relator da proposta do voto impresso auditável na comissão especial, Filipe Barros (PSL-PR), disse que a derrota da proposta no plenário da Câmara nesta terça-feira, 10, reflete uma “interferência indevida do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) em um assunto que não é do Judiciário”.

“É importante destacar que nós tivemos a maioria do plenário, mas não atingimos os 308 votos necessários por se tratar de uma PEC”, disse o deputado com exclusividade a Oeste. Ele complementou: “É claro que nós respeitamos e acatamos o resultado da votação de hoje”.

Leia mais: “Depois de críticas de Estados, relator prepara mais mudanças em reforma do IR”

-Publicidade-

O texto precisava de 308 votos para ser aprovado, mas só alcançou 229. Dos 513 deputados, 448 votaram, 218 foram contrários e houve 1 abstenção.

“O resultado reflete, justamente, essa interferência de um Poder em um assunto, em um tema que não é desse Poder. É como se nós, do Parlamento brasileiro, resolvêssemos interferir dentro dos debates internos do Supremo ou do TSE”, afirmou Filipe Barros.

Ele acredita que o tema voltará a ser debatido no Congresso. Uma proposta com o mesmo teor dessa rejeitada pode ser apresentada novamente em outra legislatura. “Nós ganhamos as ruas, e eu tenho a impressão de que não conseguimos a aprovação agora, mas é uma questão de tempo para que o Congresso aprove o voto impresso.”

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

21 comentários Ver comentários

  1. OS TREZENTOS E CINQUENTA ANOS DE ESCRAVIDÃO TIVERAM UM EFEITO DEVASTADOR NA MENTE DA POPULAÇÃO BRASILEIRA EM GERAL. FOI UMA LAVAGEM CEREBRAL QUE LAMENTAVELMENTE AINDA PERDURA, QUANDO AINDA HÁ QUEM PERSISTE EM NÃO SAIR DA CASA GRANDE, AO LADO DE QUEM AINDA NÃO QUER SAIR DA SENZALA!!! HERANÇA MALDITA!

  2. A modificação no relatório final feita pelo Felipe Barros tornando o voto impresso de auditável para apurável enterrou de vez o projeto da PEC da Bia Kicis. Alguém ouviu uma razão para essa mudança de última hora?
    .

  3. Só bandido é conta a lisura nas eleições! Não dá para acreditar que a Câmara do Deputados não aprovou um sistema eleitoral através urnas auditáveis. Como juízes do Supremo Tribunal Federal podem impor um sistema vulnerável como o atual? Como podem chantagear deputados federais de uma forma tão descarada? Como deputados federais podem se deixar subornar dessaforma? Precisamos eliminar todas as pulgas e carrapatos que infestam o organismo do nosso Brasil e que vão acabar eliminando o saudável país que estamos lutando por construir; o saudável país que queremos viver e deixar para nossos filhos e netos. Como a infestação é muito grande, precisamos combater e eliminar as pragas que nos fragilizam. No início vamos nos debater um pouco. Mas o incômodo logo passa e poderemos passar a viver num país melhor, nos orgulhando da limpeza implementada e pela liberdade preservada. Democracia é isso: a voz do povo é a voz de Deus!

  4. A solução agora como disse à Jovem Pan o engenheiro Carlos Rocha do ITA e criador das urnas eletrônicas, existem aprimoramentos para melhor transparência das urnas e que elas não podem estar sendo supervisionadas apenas por técnicos do TSE. Dai penso que para essas adequações não será necessário a anterioridade de 1 ano antes do pleito para implantar. Penso que a inteligência da informação das Forças Armadas, do Min. de Ciência e Tecnologia e de técnicos independentes como essa equipe de engenheiros deveriam fazer a gestão das urnas, desde o desenvolvimento do software e acompanhamento do processo de apuração. Penso que neste caso, o iluminado Barroso e seu assistente Alexandre não poderão interferir.
    Dai, se ainda assim Lula ganhar, como disse Bolsonaro, paciência, vai indicar mais 2 ministros do STF, para nosso espanto.

  5. Lamento demais o baixo nível da política no Brasil. A Corte máxima acoberta ladrões e rechaça o povo, na figuta do presidente eleito com 58 milhões de votos.E Barroso comemora com lagostas e vinhos premiados, o “bom serviço” que prestou ao patrão. Não o povo, o PT. A saída é ação de quem tem que agir! Essa maldita e horrorosa novela tem que acabar bem, para o povo de bem!

  6. Com o avanço da tecnologia, nada impede uma participação maior dos cidadãos nos destinos do país. Após a derrota do voto auditável na Câmara, é apresentada a proposta de convocação dos eleitores para uma nova forma de participação, o TRIPLEBISCITO, que nada mais é que a decisão por um meio de único plebiscito sobre três grandes temas de interesse nacional no qual, de início, são apresentados três temas: aprovação das candidaturas avulsas; o voto impresso; e, a transformação do STF em corte exclusivamente constitucional. >>> https://youtu.be/uC8IraYgCCA <<<

  7. É óbvio que essa situação extrapola a racionalidade.
    Não é razoável que, em sã consciência e em pessoas de boa índole, alguém seria capaz de optar, conscientemente, por deixar o sistema decisório mais importante da sociedade na qual pertence, vulnerável a fraudes, fazer questão de não se auto proteger, negando uma opção extremamente simples, plausível e fácil de se implementar?
    Só se concebe tal opção, a de livre arbítrio em não colocar tranca na porta, por loucos e/ou por quem espera tirar alguma vantagem caso a casa seja invadida, e por marginais, naturalmente.
    Essa situação é tão triste que caso desconhecêssemos os constantes sobe e desce da evolução humana, deixaria o mais crente de nós de queixo no chão e absolutamente desesperançoso!
    Muito triste essa fase de domínio do poder efetivo por parte de corruptos e alienados.
    Mas, o fato é que o jogo segue em frente, as cartas continuam a mesa e os players em seus lugares.

  8. Com o STF atual não há o que fazer. Advogados e não juízes, tendência esquerdista predominante, colocados lá em sua grande maioria por PT e PSDB, corporativos e representantes da casta brasileira dominante dos privilegiados. Em resumo, donos do Brasil. Farão de tudo para esse governo ruir para que eles e os deles se perpetuem enquanto nós pagamos impostos para serví-los. O Petrus safra antiga de 20 mil a garrafa vai continuar rolando por aquelas bandas togadas. Anotem aí, vamos ter que trabalhar mais para manter essa eterna mordomia.

  9. O sonho de parte do Congresso deve ser ter um partido único, a exemplo de alguns regimes ditatoriais. A eleição funcionaria apenas para enganar os demais Países com a argumentação de que há democracia.

  10. O que resta importante agora, é saber como o Barroso será responsabilizado pelo caos social que teremos nas ruas em 2022.
    Outra coisa, é a devida resposta à ingerência política ilegal do ministro sobre o parlamento. É muito grave e não pode passar batido. IMPEACHMENT é a medida mais que justa que esperamos. Alô, senadores!

    1. Após todo esse ativismo político, interferindo nos trabalhos do Congresso, os Ministros do TSE e do STF perderam as condições de presidir as próximas eleições. A atuação de Barroso desmoralizou a nossa Justiça Eleitoral! Muito triste!

      1. Não poderia ter havido a centralização de tudo no TSE em detrimento dos TREs.Entendo também que o STF não poderia participar do TSE,àquele poder está muito politizado,zero de isenção!

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.