União Brasil revela que pode compor chapa de Alckmin em SP

Vice-presidente do PSL, deputado Junior Bozzella, admite conversas da nova legenda com o ex-governador, que está deixando o PSDB
-Publicidade-
O ex-governador Geraldo Alckmin, de saída do PSDB, pode receber o apoio do União Brasil em 2022
O ex-governador Geraldo Alckmin, de saída do PSDB, pode receber o apoio do União Brasil em 2022 | Foto: Agência Brasil

Recém-criado a partir da fusão entre o PSL e o Democratas, o União Brasil terá uma das maiores bancadas no Congresso Nacional e pretende influenciar diretamente o jogo eleitoral de 2022. Em entrevista à RedeTV! nesta quinta-feira, 14, o vice-presidente nacional do PSL, deputado Junior Bozzella (SP), admitiu que a legenda pode compor a possível chapa liderada pelo ex-governador Geraldo Alckmin, que está de saída do PSDB e é cortejado pelo PSD e pelo próprio União Brasil.

O plano do novo partido é indicar o candidato a vice-governador na chapa do quase ex-tucano Alckmin, embora essa seja uma equação a ser debatida com outras forças políticas. Hoje, o nome mais cotado para ocupar o posto de vice de Alckmin é o ex-governador Márcio França (PSB). Curiosamente, justamente na semana em que o União Brasil faz essa sinalização a Alckmin, França voltou às redes sociais para defender sua própria candidatura ao governo paulista.

Leia mais: “‘Já passou da hora de trocar o posto Ipiranga’, diz Bozzella sobre Guedes”

-Publicidade-

“Quando nasce o União Brasil, muda a configuração. A gente tem conversado com outras forças políticas no Estado de São Paulo, como o ex-governador Geraldo Alckmin, que é um quadro de muito potencial que pode, sim, ser o nosso candidato”, afirmou Bozzella. “A agenda nacional vai ditar o ritmo do partido em São Paulo. A figura que vai nos representar no Estado tem que estar de acordo com o que vamos perseguir nacionalmente.”

Leia também: “Alckmin aguarda fusão de DEM e PSL para disputar o governo de SP”

A chapa de Alckmin em 2022 pode contar ainda com Paulo Skaf, ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), que se lançaria ao Senado, mas não pelo MDB (seu atual partido). Os emedebistas devem cerrar fileiras ao lado do atual vice-governador Rodrigo Garcia (PSDB), que será o candidato apoiado por João Doria (PSDB) ao Palácio dos Bandeirantes, provavelmente com a indicação do candidato a vice.

Leia também: “Fundador do PSDB, Alckmin deve deixar o partido para concorrer em 2022”

Caso o apoio a Alckmin não se confirme, o União Brasil não descarta fechar até mesmo com Garcia ou com o deputado estadual Arthur do Val (Patriota-SP), do Movimento Brasil Livre (MBL), que deve se lançar ao governo do Estado. “Não extinguimos a possibilidade de conversar com o MBL ou até mesmo fazer uma indicação na cabeça de chapa. Ou uma composição com Rodrigo Garcia com a possibilidade real de o partido indicar o candidato a vice-governador”, afirmou Bozzella. 

Leia mais: “Rodrigo Garcia, vice de Doria, anuncia pré-candidatura ao governo de SP”

Até o início deste ano, o PSL alimentava o sonho de lançar o senador Major Olimpio (SP) ao governo de São Paulo — o parlamentar morreu em março, vítima da covid-19. “Com esse crescimento que o partido teve em São Paulo, nós deveríamos lançar uma candidatura ao governo do Estado. Nosso saudoso Major Olimpio seria o nosso candidato. Era isso o que estávamos planejando”, admite Bozzella.

Leia também: “Marcos Rogério reitera apoio a Bolsonaro e vê União Brasil na ‘centro-direita’”

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.