-Publicidade-

11% da população da cidade de São Paulo já teve coronavírus

11% da população da cidade de São Paulo já teve coronavírus.
O prefeito Bruno Covas anuncia resultados do inquérito sorológico da cidade | Foto: Governo do Estado de São Paulo
O prefeito Bruno Covas anuncia resultados do inquérito sorológico da cidade | Foto: Governo do Estado de São Paulo | inquérito sorológico, cidade de são paulo, prefeitura de são paulo, bruno covas, prevalência, coronavírus, covid-19

Estimativa é de inquérito sorológico da Prefeitura de São Paulo, que aponta crescimento do número de casos na população idosa da cidade

inquérito sorológico, cidade de são paulo, prefeitura de são paulo, bruno covas, prevalência, coronavírus, covid-19
O prefeito Bruno Covas anuncia resultados do inquérito sorológico da cidade | Foto: Governo do Estado de São Paulo

Aproximadamente 1,3 milhão de paulistanos ou 11,1% da população da cidade de São Paulo já tiveram o coronavírus, segundo inquérito sorológico realizado pela prefeitura da capital. Os dados foram anunciados nesta terça-feira, 28, pelo prefeito Bruno Covas.

De acordo com dados oficiais do governo do Estado, a cidade contabiliza pouco mais de 182 mil infectados, número sete vezes menor que o estimado pelo levantamento.

“A proporção estimada de indivíduos assintomáticos entre aqueles que apresentaram positivo é de 39,7%”, comentou o secretário municipal de Saúde, Edson Aparecido. “Esse é um número bastante expressivo de pessoas que testaram positivo e declararam que não tiveram nenhum sintoma da doença”.

Segundo a gestão municipal, o exame sorológico foi feito em moradores sorteados aleatoriamente a partir da base de dados do IPTU de 2020, dos hidrômetros de 2017 e do programa Estratégia Saúde da Família (ESF). Foram selecionados 12 indivíduos para cada área de abrangências das 472 UBS da cidade. A amostra foi coletada em domicílio.

A faixa de idade mais afetada pela doença foi a de idosos com mais de 65 anos, que foram 13,9% dos casos. Pessoas entre 18 e 34 anos ficaram em segundo lugar, com 12,6% e, em terceiro lugar, a faixa entre 35 e 49 anos,  com 12,3%.

De acordo com o inquérito, a prevalência é maior em pessoas com até o ensino fundamental completo (16,4%), da cor parda e preta (14,1%), da classe E (17,7%), que moram com ao menos outros quatro indivíduos (11,7%) e que não fazem distanciamento social (25,2%).

A maior proporção de casos é entre desempregados (15,1%).

A prevalência de casos também é maior entre pessoas que utilizam máscara em locais públicos “de vez em quando” (30,5%), enquanto é menor em quem usa na “maioria das vezes” (21,8%) e “sempre” (9%).

O maior número de contaminados está na zona sul, com 16,1% da população, seguida das zonas leste, 13,3%, sudeste, 9,3%, norte, 8,2%, e centro-oeste, 3,7%.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias.
Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Isso dentro de um universo que foi testado apenas… Existe toda uma quantidade de pessoas que sequer sentiu algum incômodo e mesmo assim, teve contato com o vírus chinês… Ora, nosso grande vírus, realmente, é o vírus da histeria e do aproveitamento político, de que esses crápulas se aproveitam para abusar do povo e retirar-lhes liberdades! Pobre do brasileiro que não se deu conta disso ainda!

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.