-Publicidade-

Governo anuncia distribuição da CoronaVac para todos os Estados

Campanha de vacinação começará após autorização dos imunizantes pela Anvisa
O Ministério da Saúde fará a aquisição de 46 milhões de doses da CoronaVac
O Ministério da Saúde fará a aquisição de 46 milhões de doses da CoronaVac | Foto: Adriana Toffetti/A7 Press/Estadão Conteúdo

O Ministério da Saúde informou neste sábado, 9, que fechou acordo com o Instituto Butantan, de São Paulo, para distribuir com exclusividade as vacinas contra o coronavírus pelo Sistema Único de Saúde (SUS) para todos os Estados. Segundo a pasta informou, a campanha de imunização gratuita deve começar “tão logo os imunizantes recebam autorização da Anvisa”.

Na sexta-feira, o Butantan fez um pedido à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para aplicar doses da CoronaVac, desenvolvida em parceria com o laboratório chinês Sinovac. A previsão é que a Anvisa se manifeste sobre o pedido em até dez dias.

“Brasileiros de todo o país receberão a vacina simultaneamente, dentro da logística integrada e tripartite, feita pelo Ministério da Saúde e pelas Secretarias Estaduais e Municipais de Saúde”, informou, em nota, o Ministério da Saúde.

No texto, o ministério informou ainda que já havia assinado junto ao Butantan contrato para a aquisição de 46 milhões de doses da CoronaVac fabricada pelo instituto.

O governo pontuou que as doses serão distribuídas proporcionalmente à população de Estados, que farão a distribuição para os municípios.

Leia também: “CoronaVac tem 78% de eficácia, informa Butantan”

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

7 comentários

  1. Não era essa vacina que o Bolsonaro xingou e que não ia comprar de jeito nenhum? Não foi essa vacina que o ministro da saúde falou que ia comprar lá por outubro e teve que gravar um vídeo se desmentindo. O Bolsonaro já deve até estar vacinado, caso contrário não haveria motivo pra colocar em sigilo uma carteira de vacinação.

  2. O Governo federal assume seu verdadeiro protagonismo, retirado pelas antas SUPREMAS do STF. A eficácia ficará evidente no resultado produzido e na imunização das pessoas. A questão é quem vai querer? Acho que vai sobrar vacina à espera da Oxford-AstraZeneca, mas isso é outra questão……
    Hora de vacinar e reduzir o pânico gerado pela mídia podre e inútil.
    Hora de trabalhar com o que temos em mão.

  3. Nada como transformar uma derrota numa vitória; definitivamente fiz a faculdade errada. Não vi nenhuma vacina declarar menos de 90% de eficácia, mas a que teve o pior desempenho no quesito consegue colocar um 100% no contexto.
    Um 100% claramente dúbio e difícil de comprovar e para mim fica claro porque afirmaram que iam solicitar a aprovação da Anvisa e voltaram atrás; sabiam do resultado da pesquisa e levaram um tempo até engendrar como transformar uma “engengaria” em algo palatável.

  4. Esse sargentão melancia aí, não aguentou a abordagem da Doriana, eu ainda não esqueci da daquele acordo que esse melancia fechou nos bastidores com aquele picareta de São Paulo. As evidências indicam tudo isso daí. E aquele abestalhado do Mito, não se cansa de passar vergonha, primeiro com aquele grito do “Chega, porrah!” depois disse com todas as letras e para todo mundo ouvir que não compraria essa vachina e que já estaria fechado com o tal do laboratório britânico de Oxford. Resultado: é isso daí que estamos agora presenciando. Resumo da Ópera: Os louros desta disputa pelo protagonismo político ficam para a Doriana, provando mais uma vez que o mundo é dos espertos e vigaristas e os tolos que se danem.

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês