Vacina da Oxford: imunizante tem eficácia de até 90%

Anúncio foi feito hoje pela farmacêutica AstraZeneca
-Publicidade-
Doeses da vacina de Oxford devem estar disponíveis a partir de janeiro | Foto: Divulgação/Freepik
Doeses da vacina de Oxford devem estar disponíveis a partir de janeiro | Foto: Divulgação/Freepik

Anúncio foi feito hoje pela farmacêutica AstraZeneca

vacina da oxford
Farmacêutica garante que tem capacidade de fabricar até 3 bilhões de doses em 2021
Foto: Divulgação/Freepik
-Publicidade-

Em desenvolvimento pela Universidade de Oxford, a vacina experimental contra o coronavírus tem eficácia que varia de 62% a 90%, a depender da dosagem aplicada. É o que anunciou nesta segunda-feira, 23, o laboratório inglês AstraZeneca, parceiro da instituição acadêmica. Os resultados são preliminares e consideram testes feitos no Reino Unido e no Brasil. De acordo com a farmacêutica, a eficácia ficou em 90% quando os participantes receberam meia dose do protótipo de imunizante e, um mês depois, uma dose completa. Quando aplicadas duas doses completas, também com um mês de diferença entre elas, a eficácia caiu para 62%. A AstraZeneca informou que pedirá à Organização Mundial da Saúde autorização de uso emergencial para distribuir a vacina a países de baixa renda.

A proteção ocorre a partir de 14 dias depois da aplicação da segunda dose da vacina. Segundo a AstraZeneca, nenhum caso grave da doença foi relatado nos voluntários. “A eficácia e a segurança dessa vacina confirmam que ela será muito competente contra a covid-19 e terá impacto imediato nesta emergência de saúde pública”, declarou o CEO da companhia, Pascal Soriot, em comunicado emitido na manhã de hoje. “Descobrimos que um de nossos regimes de dosagem pode ser cerca de 90% eficaz. Se esse regime de dosagem for usado, mais pessoas podem ser vacinadas com o fornecimento de doses planejado”, acrescentou o investigador-chefe do Departamento de Vacina da Oxford, Andrew Pollard. Além disso, a AstraZeneca garante que tem capacidade para fabricar até 3 bilhões de doses do imunizante em 2021.

Leia também: “Covid-19: Obrigatoriedade ou não das vacinas? Entenda”

Telegram
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

4 comments

  1. Pode ter até 100% de eficácia, isso são eles é quem dizem. Eu, por prudência e de ser um simples conhecedor da Odisséia de Homero, não deixarei de me embalar pelo canto da sereia. Vou aguardar o tempo regulamentar, muito obrigado…

  2. Penso que a Anvisa deveria analisar os testes dessas mais avançadas vacinas (OXFORD, CORONAVAC, PFIZER, JOHNSON, SPUTINIK, INDIANA, e outras) , e autoriza-las simultaneamente, e com logística adequada pelo Ministério da Saúde, de distribuição em todo o país.
    Creio importante observarem a distribuição em função da quantidade de doses necessárias de cada vacina para a eficácia desejada.
    Assim, a Anvisa evita que o marqueteiro Doria tenha a sua mercadoria lançada em primeira mão para seus fins políticos, ou então, não ficar zangado se a Anvisa lançar primeiramente a de OXFORD.

Envie um comentário

-Publicidade-
Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Payment methods
Security site
Gostou da Leitura?

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Payment methods
Security site