-Publicidade-

O que é o projeto BR do Mar?

Texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e pode ser votado a qualquer momento no plenário

Texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e pode ser votado a qualquer momento no plenário

Cabotagem
Foto: Reprodução/Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem

O Brasil tem mais de 75 mil quilômetros só de rodovias federais, as BRs. Elas são as artérias por onde passa a maioria da produção agrícola e industrial do país.

Privilegiado, o território brasileiro tem 7.367 quilômetros de costa, uma das maiores do planeta. Mas a cabotagem, que é transporte entre os portos nacionais, corresponde a apenas 11% do fluxo de cargas no país.

Leia mais: A IMPRENSA MORRE NO ESCURO, na edição desta semana da Revista Oeste

Cabotagem é o contraponto da navegação de longo curso, realizada entre portos de diferentes nações. O termo é derivado do nome Sebastião Caboto, um navegador do século XVI que explorou a costa da América do Norte.

Para tentar tirar algumas amarras e incentivar o modal marítimo, o governo tem defendido o projeto de lei conhecido como “BR do Mar” (PL 4.199/20), fazendo alusão, justamente, às rodovias.

Leia também: Turismo está em ‘franca recuperação’, diz presidente da Embratur

O texto tramita em regime de urgência na Câmara dos Deputados e pode ser votado a qualquer momento no plenário. Mas entidades do setor, como a Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem (Abac), defendem que a proposta ainda precisa de mudanças.

O diretor executivo da associação, Luis Fernando Resano, afirma que, se o projeto passar como está, será uma das muitas leis que existem, mas não funcionam.

“Nós estamos há quase dois anos discutindo essa revisão do marco regulatório da cabotagem, ninguém faz investimento, fica todo mundo esperando o que vai acontecer para decidir o que fará”, afirmou Resano a Oeste.

Para Luis Fernando Resano, três pontos precisam ser reavaliados:

1. Dois terços de tripulantes brasileiros

O projeto obriga que a embarcação de bandeira estrangeira que for “alugada” tenha 2/3 de tripulantes brasileiros, o que é mais rigoroso que a resolução atual.

“Mantendo dessa forma, não haverá atratividade em aderir ao programa”, garante Resano.

cabotagem
Foto: Arte/Agência Câmara

2. Abertura do mercado para empresas sem navio

Atualmente, para que uma empresa possa operar na cabotagem, é necessário que tenha ao menos uma embarcação própria. O projeto quer acabar com esta obrigatoriedade para atrair mais companhias.

“A navegação de cabotagem exige compromisso e, quando você tem uma empresa sem navio, abre espaço para especuladores que podem ir embora e largar o dono com as cargas. Isso é um risco à credibilidade da cabotagem”, afirma o diretor executivo da Associação Brasileira dos Armadores de Cabotagem.

3. Necessidade de renovação dos incentivos existentes à cabotagem

As empresas usuárias da cabotagem não pagam o adicional de frete da marinha mercante quando a carga tem origem ou destino das regiões Norte e Nordeste.

“Em 2022, o incentivo acaba e precisa ser renovado. Seria um revés total. Você incentiva a cabotagem em 2021 e, em 2022, desincentiva o setor”, disse o representante da Abac, Luis Fernando Resano.

Caminhoneiros

O projeto BR do Mar está desagradando representantes de caminhoneiros, que temem diminuição no trabalho. O próprio presidente Jair Bolsonaro, na terça-feira 24, saiu em defesa do programa.

“Os reflexos da BR do Mar aumentam os fluxos de curta distância, em que o caminhoneiro ganha mais por quilômetro rodado, desgasta menos o equipamento e, portanto, tem maior receita”, afirmou Bolsonaro.

Luis Fernando Resano vai na mesma linha.

“Os caminhoneiros ganham mais fazendo viagens curtas do que uma viagem longa. Eles não estão entendendo isto daí. Na minha opinião, estão sendo insuflados por entidades para inviabilizar o projeto que busca o equilíbrio da matriz de transporte brasileira”, defende Resano.

* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais à equipe da publicação, a outro usuário ou a qualquer grupo ou indivíduo identificado. Caso isso ocorra, nos reservamos o direito de apagar o comentário para manter um ambiente respeitoso para a discussão.

1 comentário

  1. Não entendo a discordância de Luís Fernando Resano da ABAC com o ministro Tarcísio de Freitas que há muito explica bem a urgente e necessária aprovação dessa Lei que em muito reduzira o custo do transporte e a logística mais adequada de distribuição.
    Afinal em 2 anos nunca conversou com o ministro?
    Recentemente assisti entrevista com o ministro no programa Direto ao Ponto dirigido por Augusto Nunes e o assunto foi muito bem abordado pelo ministro. Entendo que Luis Fernando Resano se tinha alguma contribuição a oferecer na BR DO MAR deveria ter procurado a organização dessas entrevistas para questionar o ministro.
    É incrível como neste pais, quando algo esta pronto para ser aprovado aparecem aqueles que utilizam do instável Congresso Nacional para embaraçar importantíssimas decisões. Não basta a pandemia e a enorme crise fiscal que atravessamos para criar ainda a desarmonia entre as partes e as instituições?

Envie um comentário

-Publicidade-
Exclusivo para assinantes.
R$ 19,90 por mês