Moraes pede explicações à CPI sobre pedidos de quebra de sigilo de Bolsonaro

Comissão parlamentar de inquérito também pediu o banimento do presidente das plataformas digitais
-Publicidade-
Ministro Alexandre de Moraes, do STF, cobrou explicações da CPI da Covid
Ministro Alexandre de Moraes, do STF, cobrou explicações da CPI da Covid | Foto: Marcos Oliveira/Agência Senado

O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal (STF), determinou que a CPI da Covid dê explicações em até 48 horas sobre medidas tomadas pela comissão contra o presidente Jair Bolsonaro. Antes de concluir os trabalhos, o colegiado aprovou um requerimento no qual pede ao STF a quebra do sigilo telemático de Bolsonaro e o banimento do presidente das plataformas digitais.

Em defesa de Bolsonaro, a Advocacia-Geral da União (AGU) entrou com um mandado de segurança na Corte contestando as decisões da CPI. Segundo o órgão, o chefe do Executivo não pode ser alvo de uma comissão parlamentar e o requerimento protocolado pelos senadores extrapola as atribuições da comissão.

Leia também: “Conclusões da CPI da CPI”, artigo de Augusto Nunes publicado na Edição 84 da Revista Oeste

-Publicidade-

O caso ainda será analisado pelo próprio STF e pela Procuradoria-Geral da República (PGR), mas a AGU se antecipou e decidiu já acionar o Supremo para questionar a decisão da CPI.

Em sua tradicional live semanal transmitida pelas redes sociais, na semana retrasada, Bolsonaro leu uma notícia que alertava que vacinados contra a covid-19 supostamente estariam “desenvolvendo a síndrome da imunodeficiência adquirida [aids]”. Assim como já haviam feito o Facebook e o Instagram, o YouTube retirou a live do ar e suspendeu o canal do presidente por uma semana. Com base nessas afirmações, a CPI decidiu pedir a suspensão do presidente das redes e a quebra de seus sigilos.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

4 comentários Ver comentários

  1. A questão já foi ventilada em diversas noticias, mas como o assunto é notadamente polemico, Bolsonaro sabendo do patrulhamento a que é sujeito, podia deixar de comentar certos assuntos para evitar mais confusão a seu respeito.
    Ás vezes ficar de boca fechada evita atrapalhações.

  2. O presidente leu um site que comentava sobre o relatório do UK dando uma opinião cuja interpretação é polêmica (da qual discordo). Em momento nenhum disse “AIDs”, disse “síndrome de imunodeficiência adquirida”, que é um nome genérico para síndromes de imunodeficiências que venham a ser adquiridas, não genéticas. Ora, na nova forma de comunicação com o povo diretamente pela internet haverá pequenas mancadas. Não tem nada demais. Cada um q procure seus selos de qualidade. Não voltaremos aos pronuciamentos de 1 min na tv, “brasileiros e brasileiras!”. Chega de auê com motivação política.

  3. Esperamos que Moraes tenha juízo e respeite o acordo que fez com Bolsonaro/Temer. Afinal, é muito mais sério respeitar acordos com Bolsonaro, que abraçar essa CPI desrespeitosa e criminosa e sem amparo da população.

  4. Matéria a respeito da possível vinculação da vacina com o HIV foi publicada na revista Exame de algum tempo atrás. A OESTE deveria mostrar aos seus leitores que o assunto foi repercutido pela revista Exame. O Presidente não acha nada, ele apenas leu o que estava escrito na Exame.
    Vamos lá, OESTE. Mãos à obra.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.