Piso da enfermagem pode resultar em desligamentos

O motivo, segundo as entidades, seria a falta de recursos financeiros para arcar com os salários estipulados pela proposta
-Publicidade-
Pixabay
Pixabay

Depois de ter sido promulgada pelo Congresso Nacional, nesta quinta-feira, 14, a Emenda à Constituição (PEC) 11/2022, que estabelece o piso nacional para enfermeiro, técnico, auxiliar e parteiro, entidades que representam os municípios já ameaçam como uma onda de “iminentes desligamentos” dos profissionais. O motivo, segundo as entidades, seria a falta de recursos financeiros dos cofres das prefeituras para arcar com os salários estipulados pela proposta.

Para a Confederação Nacional dos Municípios (CNM), o Congresso “se comprometeu em encontrar uma fonte de custeio para a criação do piso da enfermagem”, mas a entidade alega que o compromisso não foi mantido. Pela PEC, o piso salarial dos profissionais da enfermagem será de R$ 4.750; o de técnicos de enfermagem, de R$ 3.325; e o de auxiliares e de parteiras, de R$ 2.375. As despesas para o cumprimento dos novos salários, de acordo com a CMN, estimam um impacto de mais de R$ 9 bilhões aos municípios.

“Caso os municípios tenham de arcar com o piso proposto, ocorrerá iminente desligamento de profissionais e consequente queda da cobertura de programas essenciais — como o Estratégia Saúde da Família. Da mesma forma, ocorrerá redução do quantitativo de profissionais de enfermagem nas equipes hospitalares, ambulatoriais, laboratoriais, de vigilância em saúde e tantos outros serviços que compõem o SUS, com grande e imensurável impacto à população.”

-Publicidade-

A aprovação foi fruto de um acordo firmado entre as lideranças partidárias e uma forte mobilização da categoria de profissionais e tem objetivo de assegurar o cumprimento do Projeto de Lei 2564/20, que estabeleceu os pisos e já foi aprovado na Câmara e no Senado, mas que somente será enviado para sanção quando a fonte de financiamento for definida. Isso quer dizer que outros projetos, prevendo a destinação de recursos para fazer frente ao aumento do piso dessas categorias, terão de ser aprovados.

De acordo com a Confederação dos Municípios, a entidade chegou a fazer propostas de alteração do texto com os parlamentares, mas as sugestões não foram acatadas.

A deputada Carmen Zanotto (Cidadania-SC), que coordenou grupo de trabalho sobre o impacto financeiro do piso e também foi relatora da comissão especial da PEC 11/2022, disse, à época da aprovação do PL na Câmara, em maio, que, para as empresas privadas, deverá ser suficiente a retirada das contribuições sociais da folha de salários. Essas empresas passariam a pagar as contribuições sobre o faturamento, como já fazem outros 17 setores. Além disso, seria eliminada a contribuição para o Sistema S.

Segundo a deputada, outra fonte de recursos seria a destinação de uma parcela da arrecadação com a regulamentação dos jogos de azar, que a parlamentar acredita que poderia aumentar de 4% para 12% no projeto que está no Senado. Além disso, há a possibilidade de destinar para o setor 3,5% da tributação com a exploração mineral, disse ela. Apesar das expectativas dos parlamentares, a entidade que representa os municípios lamentou a aprovação da medida.

‘A entidade municipalista lamenta que os parlamentares não tenham feito tal alteração no texto e que a aprovação possa ocorrer sem que haja previsão orçamentária para essa finalidade”, afirmou a CMN, a Oeste.

Prefeitos alegam preocupação

Por meio de nota, a Frente Nacional de Prefeitos (FNP) afirmou que reconhece a importância dos profissionais da enfermagem e, por isso, não discute o mérito da medida, mas afirma que prefeitos e prefeitas estão preocupados com relação à medida.

“Os municípios estão pressionados com a alta demanda por serviços públicos e as medidas legislativas precisam ter responsabilidade fiscal. É notório que as finanças dos entes locais estão cada vez mais comprometidas. Por isso, defendem a PEC 122/2015, que proíbe a União de instituir despesas sem indicação de fonte de custeio.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

6 comentários Ver comentários

  1. Profissionais da enfermagem, na imensa maioria, são verdadeiros heróis, carregam o piano nas costas nos hospitais, e merecem uma digna remuneração. Por outro lado, prefeituras ,hospitais ,não terão condições fiscais para tal remuneração, e os serviços, que já são deficitários, tendem a piorar. E por um outro lado ainda , há o setor judiciário do país, que vive de adicionais ,prêmios, extras que não acabam mais , feriados não sei do quê…..ou seja , a conta poderia fechar, mas isso só ocorrerá quando se tomar vergonha na cara e acabar com esses privilégios do judiciário e de outros funcionários públicos das altas castas e direcionar esses recursos para profissionais como os enfermeiros , põe exemplo.

  2. Questão de gestão. Existem muitos CCs que não servem para nada. Colocados em cargos que nem sabem o que estão fazendo, na grande maioria. Simples, demitam e valorizem o trabalho de quem realmente presta serviço essencial para a saúde em nosso país.

  3. Estes pilantras reclamam, chiam E esperneiam mas nada farão pois querEm reeleição e se manter no poder para sempre … e a saída é bem simples … ROUBEM MENOS.

  4. Esse projeto de lei esta totalmente fora de consenso como um enfermeiro de São Paulo c mesmo salário de outro que mora no Amazonas,Sergipe…custos de vida muito diferentes.Tem que ser salários REGIONAIS. E como fica os hospitais particulares e filantrópicos quem paga essa conta.LEI eleitoreira .Que fique claro que todos merecem aumento de salário .Hospitais vão simplesmente fechar pois aumentar mais de 100% salários em algumas regiões.Eai Srs Deputados muito lindo p votos mais as consequências serão simplesmente devastadoras p os Hospitais.

    1. Haja desconhecimento de causa será que voco país é uno e você esquece que os salários de policiais de São Paulo mais rico estado da federação estão entre os menores do país? por que mesmo? para desvalorizá-los e facilitar o trabalho das quadrilhas que controlam o país hoje? a quem interessa na verdade uma polícia fraca? adivinhe … somos hoje o país dos insanos.

  5. Os Estados e Municípios só tem um propósito: fazerem obras, depois de prontas abandona-las, até que precisem de reforma para voltar a funcionar. Quando o assunto é salário as prefeituras gritam, esperneiam pois sabem que ali não tem comissão, no máximo nas Câmaras de vereadores tem rachadinha, sem distinção de partidos políticos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 23,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.