Preços recordes do diesel pressionam a economia na Europa e nos EUA

Alta afeta norte-americanos no transporte de cargas. Já europeus ainda não têm solução contra dependência da Rússia
-Publicidade-
Diesel é parte importante da frota automotiva na Europa
Diesel é parte importante da frota automotiva na Europa | Foto: Flickr

Não é apenas no Brasil que a alta do diesel pressiona atividades estratégicas da economia. Europa e Estados Unidos também vêm lidando com consequências do aumento dos preços nos combustíveis, principalmente sobrecarregando o setor de transportes. Um artigo desta sexta-feira, 13, do Wall Street Journal discorre sobre a crise internacional envolvendo o produto.

Países importantes da Europa dependem da importação do diesel da Rússia, mas o fornecimento está comprometido há alguns meses em razão do conflito na Ucrânia. Nos Estados Unidos, por sua vez, o preço do combustível atingiu o recorde histórico de US$ 5,5 na última quinta-feira, 12, com aumento de 56% apenas em 2022.

Na economia norte-americana, o diesel é usado principalmente pelos caminhões, o que significa que o aumento já vem impactado custos de frete e entrega de produtos. Para piorar, segundo as autoridades de energia dos EUA, os estoques do combustível atingiram o menor patamar em 17 anos. A oferta está particularmente apertada na Costa Leste, onde as reservas caíram para seu nível mais baixo desde 1990.

-Publicidade-

Dilema europeu na relação com os russos

Já na Europa, onde os carros a diesel representam uma fatia maior da frota automotiva, os preços no mercado atacadista saltaram 88% em relação ao ano passado. A disponibilidade de combustível provavelmente vai piorar à medida que as sanções à Rússia se intensificarem, expondo a fragilidade da política energética da região.

Os governos locais pressionaram os motoristas nas últimas décadas a adotar carros a diesel, mas não atualizaram a indústria de refinarias para que pudessem produzir o combustível em maior quantidade. Isso significava comprar mais diesel da Rússia, o supermercado de energia à leste da Europa.

Na Europa, as importações de diesel da Rússia devem cair ainda mais a partir de 15 de maio, quando entram em vigor as sanções que restringem os negócios envolvendo a Rosneft Oil, empresa alinhada ao governo de Vladimir Putin. Um embargo total às importações de petróleo russo é uma possibilidade atualmente em pauta na cúpula da União Europeia.

Crise de desdobramentos globais

Os estoques globais de produtos petrolíferos refinados, incluindo o diesel, caíram para níveis sensivelmente baixos, informou a Agência Internacional de Energia na última quinta-feira. A escassez está começando a prejudicar a mobilidade em vários países africanos, além de Iêmen e Sri Lanka na Ásia. O combustível de aviação está acabando no México, de acordo com a organização intergovernamental.

A crise do diesel é outro resultado da trajetória oscilante das economias ocidentais desde o início da pandemia do coronavírus. Quando os EUA e a Europa entraram em paralisação em 2020, a demanda de energia despencou. Várias refinarias tiveram dificuldades e acabaram fechando suas portas, como o Gunvor Group, na Bélgica, e a Shell PLC, no Estado de Louisiana, nos EUA.

Este é o contexto delicado que envolve consequências da pandemia e impacto da guerra na Ucrânia. A crise dos combustíveis pelo mundo ainda não tem horizontes de melhora.

-Publicidade-
* O espaço para comentários é destinado ao debate saudável de ideias. Não serão aceitas postagens com expressões inapropriadas ou agressões pessoais.

2 comentários Ver comentários

  1. Eu disse já faz tempo, quem vai ganhar essa briga será quem tiver mais gás, literalmente e no sentido figurado. Esses europeus imbecis já estão com as línguas todas de fora, já pedindo arrego. É só uma questão de tempo que eles cairão sózinhos.

Envie um comentário

Conteúdo exclusivo para assinantes.

Seja nosso assinante!
Tenha acesso ilimitado a todo conteúdo por apenas R$ 19,90 mensais.

Revista OESTE, a primeira plataforma de conteúdo cem por cento
comprometida com a defesa do capitalismo e do livre mercado.

Meios de pagamento
Site seguro
Seja nosso assinante!

Reportagens e artigos exclusivos produzidos pela melhor equipe de jornalistas do Brasil.